Lula diz que país não pode 'baixar a guarda' contra a inflação

Em pronunciamento comemorativo do Setede Setembro, na noite desta quinta-feira, o presidente LuizInácio Lula da Silva destacou o ciclo de desenvolvimento dopaís mas disse que não se pode "baixar a guarda" no combate àinflação. "Ao contrário, é tempo de vigilância e alerta permanente.Só assim teremos força --como estamos tendo-- para enfrentar osabalos externos e os problemas internos", afirmou o presidente,no mesmo dia em que mais um índice de preços mostrou aaceleração da inflação. Lula se deteve nos aspectos econômicos, dizendo que oBrasil vive um ciclo de desenvolvimento "vigoroso esustentado", com inflação controlada, equilíbrio fiscal econtas externas em "momento espetacular". "A miséria está diminuindo: nos últimos anos, 7 milhões debrasileiros entraram na classe média. O PIB cresce há 21trimestres consecutivos, o consumo das famílias há 14trimestres consecutivos e o comércio varejista atingiu noprimeiro semestre o seu recorde histórico de crescimento",enfatizou. Dizendo-se satisfeito com estes resultados, Lula reconheceuque ainda há uma "forte dívida social" com os mais pobres eaproveitou para fazer um agrado à classe média, um dosprincipais focos de críticas ao governo, afirmando que elaenfrenta dificuldades. "Nenhum país do mundo pode crescer sem estimular,fortemente, o espírito empreendedor da classe média", disseLula. "Mas devemos também entender que quanto menor for onúmero de pobres e maior o mercado de massa, melhor será estepaís." O presidente não deixou de fazer referências às questõeséticas que marcaram o seu primeiro governo e continuam vivas navida política do país. "(Precisamos) ter a coragem para avançar ainda mais noterreno da ética e do combate à impunidade... Esta coragem eesforço nosso governo vem tendo. E estamos colhendo os frutosdoces e amargos desta semeadura." (Por Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.