Lula diz que nas campanhas eleitorais aparecem 'todas as denúncias do mundo'

Presidente acrescentou que o mais importante na política é 'poder olhar nos olhos das pessoas'

Agência Brasil,

13 de setembro de 2010 | 18h26

Ao inaugurar a primeira etapa das obras de recuperação do Porto de Itajaí, em Santa Catarina, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira, 13, que os anos em que são disputadas eleições são diferenciados e que "aparecem todas as denuncias do mundo". Citando críticas de que estava inaugurando obras inacabadas, Lula afirmou que, com o fim das eleições, também acabam as denúncias.

 

Veja também:

linkCai assessor de Erenice Guerra envolvido em denúncia

link Família de Erenice também operou no Ministério de Minas e Energia

link Ministra usou 'laranja' ao criar firma de arapongagem com filho

link Denúncia de esquema na Casa Civil faz oposição pedir saída de ministra

link Em nota, ministra rebate reportagem e diz que abre sigilo

link Contrato previa pagamento de comissão de 6%

link'Quando tem roubo a gente pega', diz Lula

 

"Sei que estamos vivendo um ano de política e esse é um ano sempre diferenciado, [em] que aparecem todas as denuncias do mundo. Depois que terminam as eleições as denúncias acabam. Vivo isso há muito tempo. Porque fui candidato muitas vezes, já perdi três eleições direto, mas aprendi a não fazer disso um motivo de ódio nem de dizer inverdades", discursou Lula.

 

Lula acrescentou que o mais importante na política é poder olhar nos olhos das pessoas e criticou a falta de sinceridade da classe política. "Não tem coisa pior em política do que a falta de sinceridade, de companheirismo e de lealdade. A gente tem política por mandato. O mandato passa e a gente continua vivendo e o que a gente leva, de verdade, é a amizade que a gente construiu, é o direito de cumprimentar as pessoas nas ruas, falar bom dia, boa tarde e chamar de companheiro", disse.

 

"A política seria muito mais fácil se a gente fosse honesto uns com os outros", reforçou Lula, acrescentando que, "no dia em que não puder olhar na cara de um homem e de uma mulher, é melhor deixar de fazer política, porque perdi o respeito por mim mesmo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.