Lula diz que mulheres ainda precisam ter mais conquistas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje, no programa Café com o Presidente, as mulheres tiveram um avanço significativo em suas conquistas, tanto políticas, quanto econômicas e sociais, mas ponderou que ainda há muito o que se fazer nesse campo. "O espaço que vocês conquistaram ainda é pouco diante do que vocês merecem conquistar", disse Lula, que utilizou todo o programa para abordar a temática alusiva ao Dia Internacional da Mulher. "Eu tenho 58 anos e, se Deus quiser, vou viver o tempo suficiente para a mulher ser tratada de igual para igual", acrescentou, depois de lamentar que ainda há muito preconceito . Lula ressaltou que o apoio à mulher está presente em muitos programas do governo federal, e citou o Pronaf, destinado à agricultura familiar, que tem uma linha de crédito específico para as mulheres. Também mencionou o Bolsa Família que privilegia a mulher, "porque ela tem mais responsabilidade". O presidente admitiu que é preciso aperfeiçoar as políticas de emprego e saúde para mulher e disse ser necessário trabalhar para que mais mulheres ocupem cargos no primeiro escalão do governo federal. "Quatro ainda são poucas", afirmou, referindo-se às ministras Dilma Roussef, de Minas e Energia; Marina Silva, do Meio Ambiente; Matilde Ribeiro, da Secretaria Especial para Políticas de Promoção da Igualdade Racial, e Nilcéia Freire, da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. No entanto, ele ressaltou que elas não estão no governo apenas por serem mulheres, mas também porque são competentes em suas áreas de atuação. Lula também se referiu à dupla jornada das mulheres, conciliando seus empregos com os afazeres do lar, enquanto muitas vezes "o marido fica sentado vendo televisão". Ele exortou os maridos a terem "um gesto mínimo com as companheiras no cotidiano", argumentando que esse comportamento tornará a vida familiar mais harmônica e prazerosa. Ele iniciou o programa cumprimentando sua filha Lurian, que aniversaria hoje, e homenageando a primeira-dama, dona Marisa, "por me aturar durante 30 anos".O presidente condenou a violência contra a mulher, dizendo que muitas vezes ela é praticada dentro de casa e anunciou que o governo determinará à rede hospitalar que comunique à polícia os casos de internação de mulheres vítimas de violência doméstica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.