Lula diz que inflação no país 'não deslanchou'

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva afirmou nesta segunda-feira que a inflação no país está"sob controle" e defendeu a elevação na produção de alimentoscomo mecanismo para conter a alta dos preços. "É importante lembrar que nesse momento em que o mundointeiro vive um processo inflacionário por conta dos alimentos,o Brasil é o principal país no mundo que a inflação nãodeslanchou", disse Lula em seu programa semanal de rádio Cafécom o Presidente. "A inflação continua sob controle, está dentro das metasestabelecidas pelo governo", acrescentou. A meta de inflação estipulada pelo governo para 2008 é de4,5 por cento, com uma margem de variação de dois pontospercentuais, para cima ou para baixo. Em maio, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo(IPCA) --indicador que baliza a política de metas-- registrouavanço de 0,79 por cento, a maior alta para meses de maio desde1996. No acumulado em 12 meses, a alta apurada pelo IPCA foi de5,58 por cento, mais de um ponto acima do centro da meta, masainda abaixo do teto, que é de 6,5 por cento. O Banco Central já elevou duas vezes consecutivas a taxabásica de juro do país, desde abril, para tentar controlar aalta dos preços. A taxa Selic está atualmente em 12,25 porcento ao ano. Analistas consultados pelo Banco Central estimam que o IPCAfechará o ano com alta de 6,08 por cento, segundo pesquisadivulgada nesta segunda-feira. O presidente voltou a defender a elevação da produçãobrasileira de gêneros alimentícios com um instrumento paracombater a alta dos preços destes produtos. Na avaliação do presidente, isso garantirá que o valorcobrado aos consumidores fique "de acordo com aquilo que é opreço justo". Lula argumentou ainda que o aumento na produção dealimentos ajudará também a incrementar as exportações do país."O Brasil, nessa situação, se apresenta como o principal paíspara produzir alimentos no mundo", disse. (Texto de Eduardo Simões; Edição de Renato Andrade)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.