Lula diz que está na hora de acabar com 'pequenez política'

Presidente compara política ao futebol e diz que concorrente em eleição não é 'inimigo para o resto da vida'

Agência Brasil

07 de novembro de 2007 | 19h11

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 7,  que está na hora de acabar com "a pequenez política" no País e dar início a uma boa "política de convivência" entre os que disputam um processo eleitoral.  "Eu penso que o futebol poderia nos ensinar algumas coisas: Não pensem que, quando o Atlético joga com o Cruzeiro, e os jogadores de um time vão com brutalidade em cima de um jogador do outro time, aqueles jogadores passam o resto da vida com ódio um do outro. Possivelmente, na mesma noite, eles jantam juntos. A política poderia ter esse ensinamento, para que as coisas pudessem ser facilitadas", disse. Segundo o presidente, o fato de uma pessoa disputar uma eleição com outra não determina que elas se tornarão inimigas pelo resto da vida.  "É preciso estabelecer uma política de convivência, levando sempre em conta os benefícios que a gente quer para o povo do País". Em seu discurso durante participação na inauguração da primeira etapa do Centro Metropolitano de Especialidades Médicas Dr. Dario de Faria Tavares, o presidente voltou a destacar a importância de os administradores da União, Estados e municípios se unirem para realizar, em parceria, obras em benefício da população. "Quando os governos federal, estadual e municipal não criam preconceitos entre si, nem estimulam a rivalidade política entre si, as coisas fluem com muito mais facilidade", disse ele.  Como exemplo, citou a inauguração do Centro Metropolitano de Especialidades Médicas Dr. Dario de Faria Tavares, que só saiu do papel porque contou com a participação dos três entes federativos. Lula também destacou a importância de o País criar mecanismos menos burocráticos para facilitar a conclusão de obras. "No Brasil, criam-se mecanismos de imposição que, entre a vontade política, a determinação e a concretização de uma obra, você tem de enfrentar algumas guerras do Iraque. E disso todos nós temos culpa. Nossa cabeça vai ter de raciocinar em como a gente precisa trabalhar para facilitar ao máximo a fim de que as coisas sejam feitas no País".   O Centro O Centro Metropolitano de Especialidades Médicas Dr. Dario de Faria Tavares, inaugurado nesta quarta em Belo Horizonte, vai garantir à população do Estado de Minas Gerais acesso a cerca de 40 mil consultas e exames médicos especializados por mês. Para reforma e compra de equipamentos para a unidade, o governo federal investiu R$ 15 milhões.  Na primeira etapa, o centro abrigará as atividades do antigo ambulatório da Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte e dará suporte aos serviços de atenção básica do município. Inicialmente, serão realizadas cerca de 6 mil consultas mensais. Até o final de 2008, quando deve ser concluído, o centro terá quatro andares com 80 consultórios. Serão oferecidas à população 26 diferentes especialidades, como cardiologia, clínica médica, dermatologia, endocrinologia, gastroenterologia, ginecologia e pediatria, entre outras.

Tudo o que sabemos sobre:
Pequenez políticaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.