Lula diz que ele e Dilma Rousseff 'incomodam muita gente'

De acordo com o presidente da República, isso acontece porque seu governo fez o Brasil 'começar a mudar'

Tiago Décimo, da Agência Estado,

05 de março de 2010 | 16h23

No discurso de inauguração da primeira fase do Projeto Salitre, um plano de agricultura irrigada em Juazeiro (BA), 500 quilômetros ao norte de Salvador, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, 5, que seu governo "incomoda muito" porque fez o Brasil "começar a mudar".

 

Veja Também

linkLula ainda espera aliança entre PT e PMDB na Bahia

linkLula nega licença para trabalhar em campanha de Dilma

 

"Não quero falar de candidaturas, porque obviamente não quero me comprometer", disse à plateia, formada por cerca de mil pessoas, entre agricultores beneficiados e integrantes de movimentos sindicais. "Mas é só acompanhar os meios de comunicação para ver como incomoda. Se eles (oposição) pudessem, cantavam 'um lulinha incomoda muita gente, uma dilminha incomoda muito mais'", completou, em referência à pré-candidatura à Presidência da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil)

 

A primeira fase do Projeto Salitre entregou um total de 5.099 hectares de área irrigada a 255 a agricultores e a 21 empresas. O projeto, que tem recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e é conduzido pelo Ministério da Integração Nacional, custou até agora R$ 251,5 milhões. Até 2014 a previsão é que sejam investidos na área R$ 900 milhões.

 

PT e PMDB

 

Lula aproveitou a presença no mesmo palanque dos pré-candidatos do PT e do PMDB ao governo da Bahia para especular sobre uma possível aliança entre os dois partidos, repetindo a dobradinha que deverá marcar a candidatura do governo para o Palácio do Planalto.

 

O presidente esteve acompanhado do ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB), e do governador Jaques Wagner (PT) - candidato à reeleição. O PMDB de Geddel deixou o governo de Wagner em 2009, numa reação ao lançamento de candidatura própria pelo PT à prefeitura de Salvador.

"Posso dizer na frente de Geddel e de Wagner que gostaria que os dois estivessem juntos, para repetir a aliança que permitiu a vitória de Wagner no primeiro turno e a minha vitória na Bahia", afirmou. "Mas ainda tem tempo pela frente, não dou nada por encerrado", disse se referindo a uma possível reaproximação entre os políticos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.