Lula diz que economia está no caminho certo e não vai mudar

Na semana em que a crise política atingiu as temperaturas mais altas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o governo já fez o que tinha que fazer sobre o caso Waldomiro Diniz eque a oposição ?inchou? a crise. Em entrevista ao jornalista Franklin Martins, da TV Globo, o presidente disse que o ministro José Dirceu fica no Ministério e fez elogios ao chefe da Casa Civil. Disse que ele fez um trabalho extraordinário na articulação politica e foi decisivo para o governo no primeiro ano. Lula reconheceu que o ministro Dirceu sentiu o peso do caso Waldomiro, o que considerou compreensivel. ?Quando um ladrão é envolvido numepisódio como esse, no dia seguinte dá entrevista na televisão rindo. Mas para um honesto, é uma situação terrível, ainda mais porque atingiuo filho dele?. Segundo o presidente, isso mexeu com as entranhas do ministro. Citou o caso das críticas de Dirceu aos governadores como ?uma besteira?, porque os governadores não fizeram nada de errado. Recomendação de Lula a Dirceu, segundo relato do jornalista no Jornal Naiconal: ?O governo não precisa do bateu-levou de Collor, ou do tratordo tempo do Fernando Henrique. Precisa é de governar e Dirceu é uma peça-chave nesse esquema. o debate fica pros partidos no congresso?.Na entrevista ao jornalista da TV Globo, Lula disse que o maior drama dele hoje é com o desemprego, porque o emprego é a última coisa queaparece na retomada do crescimento. Afirmou estar convencido de que a política econômica está no caminho certo e não pretende fazer mudanças.Ao dizer que não é preciso se afobar, usou de mais uma metáfora, usando a imagem da dona de casa que está preparando a ceia de natal:?Como a comida sai mais tarde, as crianças começam a reclamar. O que ela deve fazer? Ficar nervosa, largar a cozinha e deixar o peruqueimar no forno? Não, deve fazer bem feita a ceia de natal. Depois na mesa, todo mundo vai elogiar?, disse Lula, segundo o relato dojornalista. O presidente repetiu ter confiança de que o Brasil vai crescer este ano e mais ainda em 2005. ?O pior já ficou pra trás. Tanto que o Brasil não vai assinar um novo acordo com o FMI.?. Mas ressalvou que quer sair do FMI sem estardalhaço, sem gritaria, naturalmente.Sobre o caso Waldomiro Diniz, disse que a crise foi inchada pela oposição. ?Li a reportagem com a denúncia às dez e meia da manhã e ao meio dia o sujeito estava demitido, e a investigação aberta. o que o governo tinha de fazer, fez. O resto é com o Congresso?. Sobre as disputas internas do governo, minimizou. Disse que, no núcleo do governo, não existe esse negócio de um jogar contra o outro, ?de Dirceu puxar o tapete de Palocci? ou vice-versa: ?é um pessoal que estájunto há 25 anos. Quando há divergência, isso se resolve naquela mesa ali,?, disse apontando para mesa de reuniões da sala. ?Discute-se, quebra-se o pau, mas quando a reunião termina, a decisão é de governo?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.