Sergio Dutti/AE
Sergio Dutti/AE

Lula diz que crise no DF é deplorável e defende Constituinte

Presidente pede Assembleia Nacional Constituinte após eleições de 2010 para promover reforma política

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo,

02 de dezembro de 2009 | 14h31

Um dia após dizer que as "imagens não falam por si só", o presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou nesta quarta-feira, 30, o fato de políticos do Distrito Federal terem recebido dinheiro de empresários, conforme imagens divulgadas pela Polícia Federal.

 

"É deplorável para a classe política", desabafou o presidente, ao defender a realização de uma Assembleia Nacional Constituinte, depois das eleições de 2010, específica para refazer a lei eleitoral. "Não é possível continuar do jeito que está. Todo mundo quer a reforma política, mas ela não acontece. Da mesma forma que todo mundo quer a reforma tributária e ela também não acontece. Só eu já mandei duas reformas políticas para o Congresso. Enquanto não tiver uma reforma política, nós vamos ser pegos de sobressalto, com notícias dessas magnitude", afirmou Lula, pouco antes de embarcar de Kiev, na Ucrânia, para a Alemanha.

 

Veja Também

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

blog  JOÃO BOSCO acompanhe o caso; veja vídeos, oração da propina e mais 

especial Entenda as acusações contra o governador do Distrito Federal

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

linkArruda é alvo de quatro pedidos de impeachment no DF

linkCNJ apura ligação entre Arruda e desembargadores

  

Lula disse que não foi condescendente ao afirmar, na terça-feira, 1º, que as imagens do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, secretários e deputados distritais recebendo dinheiro não falavam por si só. "Eu não fui condescendente, nem incriminei ninguém. Apenas disse que tem um fato em apuração, que é preciso que termine a apuração, que a Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça estão investigando. Eu não posso, como presidente da República, condenar alguém numa pergunta ou entrevista, com mesma facilidade que vocês (imprensa) . Tenho de esperar o fim da investigação para falar", disse.

 

O presidente destacou, no entanto, que "as pessoas que fizeram coisa errada têm de pagar".

 

Lula disse que viu algumas imagens na imprensa e que considera o caso muito grave. "Tudo isso vai ser um processo, que vai passar por vários tribunais, até o juízo final. Não sei o que o parlamento distrital vai fazer. A mim resta esperar a decisão da Justiça e do inquérito que vai para a Polícia Federal".

 

Reforma política

 

O presidente reiterou a necessidade da reforma política pelo Congresso Nacional, para "moralizar os partidos políticos e o processo eleitoral".

 

"Se o Jânio Quadros (ex-presidente da República) fosse vivo, diria que existe um inimigo oculto que não deixa votar no Congresso. Todo mundo já percebeu que isso tem de ser votado, mas quando chega ao Congresso não votam. É como a reforma tributária", disse o presidente.

 

Ele lembrou que quando o texto de reforma tributária foi apresentado por seu governo, houve um pacto entre governadores, empresários, sindicalistas e líderes. "Só que quando entra no Congressos tem uma força invisível que não deixa andar."

 

Questionado se essa força invisível seriam os próprios legisladores, Lula admitiu que sim. "Possivelmente sejam. Os partidos políticos deveriam estar defendendo essas reformas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.