Leo Malafaia/AFP
Leo Malafaia/AFP

Lula diz que conta com PCdoB, PSOL e ‘uma parte’ do PDT para 2022

Ex-presidente participa de evento de apoio à cultura e ironiza declaração de Bolsonaro sobre Paulo Freire: ‘Ele não sabe o que é energúmeno’

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2019 | 23h43

RIO – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta quarta-feira, 18, em evento em apoio à cultura no Rio, que vai voltar em 2022 e que a prisão de 580 dias em Curitiba não o deixou mais radical, e sim mais consciente das mazelas brasileiras.

Em discurso de cerca de 20 minutos, Lula disse que conta com partidos como PCdoB, PSOL e “uma parte do PDT”, para formar o que ele classificou de força unificada para combater “esse fascismo instalado no governo brasileiro”.

De acordo com o ex-presidente, a decisão de ir à Polícia Federal e não buscar o exílio em outro País foi uma forma de afirmar sua inocência, que no caso do mensalão já foi comprovada.

“Eu não fugi porque tinha que provar que o Moro não era juiz, era mentiroso com compromissos políticos”, disparou.

Lula também ironizou a declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o educador e filósofo Paulo Freire. Segundo o petista, Bolsonaro não deve saber o que quer dizer energúmeno.

“Vou mandar uma mensagem para Bolsonaro explicando o que é energúmeno, ele não sabe o significado”, disse, levando a plateia do Circo Voador às gargalhadas.

Lula afirmou que o brasileiro não merece passar o que está passando, e principalmente a cultura tem sofrido muito, não apenas com a falta de recursos, mas de respeito. “Ele e seus ministros atacaram em menos de um ano Paulo Freire, Fernanda Montenegro, Caetano, Chico Buarque e tantos outros, eles querem acabar com a cultura, vamos resistir”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.