Lula diz que chamará líderes se votações no Senado atrasarem

Presidente diz que terá "uma conversa" assim que voltar; DEM já avisou que vai obstruir votações

Denise Chrispim Marin, do Estadão,

07 de agosto de 2007 | 16h47

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva advertiu durante entrevista coletiva nesta terça-feira, 7, em Tegucigalpa (Honduras) que, se houver atraso no Senado nas votações de projetos de interesse do País, chamará os líderes da Casa e dos partidos políticos para "uma conversa" assim que retornar ao Brasil. "Nenhum caso individual pode atrapalhar as votações de coisas de interesse do nosso País", disse Lula.  Veja também: Especial sobre o caso Renan Calheiros Viagem de Lula pela América Latina STF determina quebra dos sigilos fiscal e bancário de RenanDEM decide representar contra Renan no Conselho de ÉticaO presidente se referia ao estado de paralisia do Senado causada pela resistência do presidente da Casa, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), de deixar o cargo em função das denúncias, pelas quais se tornou alvo de investigação do Supremo Tribunal Federal (STF). A paralisia aumentou com a decisão do DEM (ex-PFL) de obstruir a votação de projetos que não sejam de interesse do País.  Renan responde a processo no Conselho de Ética por quebra de decoro sob a acusação de ter despesas pessoais pagas por um lobista. Na última segunda-feira, o STF determinou abertura de inquérito do caso e já autorizou as quebras dos sigilos bancário e fiscal do senador.  A uma pergunta sobre essa situação no Senado, o presidente da República afirmou que, quando saiu do Brasil, no domingo passado, o Senado e a Câmara dos Deputados tinham concluído votações de temas considerados importantes. Lula argumentou que, por mais importante que o presidente da República possa ser, ele "não dá palpite" sobre o que vai ocorrer na Suprema Corte. Para Lula, o atraso em votações no Senado pode estar relacionado "a 'N' fatores". Ao ser abordado sobre essa questão, Lula não se mostrou ciente da decisão do Supremo de abrir inquérito sobre o presidente do Senado. Chegou a perguntar aos jornalistas em que etapa estava esse processo de Renan, mas insistiu em que seria preciso esperar o resultado de investigações abertas pelo Conselho de Ética do Senado e a possibilidade de o caso de Renan ser investigado pelo STF. "Sei que Renan está sendo investigado há muito tempo. Há dois meses, só se fala na investigação da vida do senador. Sei também que ele tem apresentado documentos para provar sua inocência", completou Lula.  

Tudo o que sabemos sobre:
LulaHonduras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.