Lula diz que adversários querem ganhar eleições no 'tapetão'

Lula disse que tem 'gente falando demais, torcendo demais' e 'abre a geladeira pensando estar dando entrevista para televisão'

Carmen Pompeu, de O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2010 | 15h32

FORTALEZA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou, nesta terça-feira, 8, em Fortaleza, durante entrevista ao radialista Paulo Costa, da rádio Jangadeiro FM, seus adversários de querer ganhar as eleições "no tapetão". Lula se referia às cinco multas impetradas contra ele pelo Tribunal Superior Eleitoral por ele fazer campanha antecipada para a pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff. Sem citar nomes, Lula disse que tem "gente falando demais, torcendo demais" e "abre a geladeira pensando estar dando entrevista para televisão" e confunde "barbeador com microfone".

 

Lula aproveitou a entrevista para elogiar o deputado federal Ciro Gomes (PSB), que continua nos Estados Unidos desde que teve sua candidatura a Presidência colocada de escanteio. Ao lado do irmão dele, o governador do Ceará, Cid Gomes, Lula disse devia muito a Ciro.

 

"Eu tenho um companheiro aqui no Ceará a quem eu devo muito. Foi meu ministro e foi um contribuinte extraordinário. Nos momentos mais difíceis. O Ciro Gomes esteve ao meu lado. Teve muita gente que me ajudou e eu sou um homem que não esqueço um amigo no meio do caminho. Sou um homem que faço da política uma relação de amizade. Quando gosto de uma pessoa eu gosto de verdade, ou seja, não é porque a pessoa está bem ou está mal que estou do lado dela. Não. Se for meu amigo estou do lado dele em qualquer que seja a circunstância, porque amigo a gente não herda. Amigo a gente constrói numa relação de amizade", disse Lula.

 

Sobre as multas do TSE, ele reconheceu que, como presidente, lhe cabe ser o exemplo no cumprimento das leis. Mas alegou que havia uma interpretação da legislação eleitoral e que esta acabou sendo mudada. "O presidente da República não pode transgredir as leis. Agora, é importante que a gente fique atento. Estou cheio de adversários, que, com preocupação de me enfrentar na campanha, começam a querer ganhar o jogo no tapetão. E esse País vai exercitar a democracia até as últimas consequências", avisou Lula. "Todos nós temos um ritual de campanha proibido e permitido pela legislação. Acho que ninguém quer transgredir a lei. Se houver excesso, obviamente, que cada um de nós deve ser punido", completou.

 

"Mas eu tenho ouvido gente falar demais. Tenho ouvido gente torcer demais. Tem gente falando de coisas que não deveriam falar. Também porque tem um tipo de gente que não deveria ter. O cidadão abre a geladeira de manhã para pegar uma água e já dá uma entrevista achando que é uma televisão. Vai para o banheiro, liga o barbeador para fazer a barba, e já começa achar que é um microfone e começa a falar. Acho que tem gente falando demais sobre essa questão. Gente fazendo insinuações de mais, gente fazendo interpretações demais. E eu acho que isso não é bom para a democracia", condenou Lula mais uma vez. Em seguida, avisou que iria se defender de todos os processos. "Alguns nós podemos perder. Outros nós podemos ganhar. Mas sempre trabalhando de acordo com a Justiça brasileira porque cabe aos governantes ser os primeiros a respeitar a legislação".

 

A entrevista exclusiva à Jangadeiro FM, que pertence ao senador Tasso Jereisati (PSDB-CE), foi o primeiro compromisso de Lula nesta terça no Ceará, estado onde ele começa uma série de visitas à região Nordeste.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições2010Lulatapetão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.