Lula discute reforma se princípio não for abalado, diz Dirceu

O ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, disse ter conversado por telefone com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que ele reiterou a disposição de discutir mudanças na reforma previdenciária desde que os princípios que norteiam o projeto não sejam abalados. Dirceu disse também que o governo não abre mão do fim do privilégio e do restabelecimento da Justiça social. "Respeitados os princípios, estamos dispostos a negociar com os servidores e com o Poder Judiciário", reiterou."Não pode haver privilégio. Tem de valer para todos os servidores públicos e temos que fazer com que a Previdência tenha viabilidade atuarial e seja auto-sustentável, para além da contribuição do governo federal e dos funcionários", afirmo Dirceu. Dirceu disse que as reformas serão discutidas em reunião na próxima terça-feira, da qual participarão o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, líderes do governo, relatores do projeto e a comissão de cinco governadores que representam os 27 Estados. Questionado se o governo negociaria um pacote composto pelas reformas da Previdência e tributária com os governadores, o ministro respondeu: "Os governadores não vão fazer concessão da reforma da Previdência porque a situação dos Estados não permite isso. E a discussão que tem que ser feita em relação à reforma tributária não se trata de concessão", afirmou, acrescentando que os Estados pleiteiam a rediscussão sobre a distribuição tributária do País.Na opinião de Dirceu, a pauta da reforma tributária está acertada. Segundo o ministro, ela é simples. ?Vamos chegar a um acordo com os governadores", disse. Já a reforma previdenciária, de acordo com ele, é mais complexa, ?porque envolve a sociedade e o futuro de nossos filhos e netos".O ministro insistiu que seja realizado um debate em torno da reforma da Previdência transparente. "Às vezes, a discussão parece dura. Mas é bom para o País que se discuta à exaustão a reforma da Previdência para que ela seja duradoura e permita garantir Previdência para todos os brasileiros."O ministro participa neste momento, em Santos, do Fórum Nacional para Exportação do Porto de Santos (Santos Export 2003).ConsensoDirceu disse estar confiante de que será construído um consenso ou maioria em torno da reforma da Previdência. "Nós vamos restabelecer o consenso porque podemos retomar uma proposta comum", afirmou ele. Ele reiterou que não haverá proposta do governo sem anuência e concordância dos governadores. "Agora, a Câmara é independente e autônoma. Os deputados estão discutindo com os servidores e vão discutir com os governadores também", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.