Lula discute PAC e metas do governo em reunião ministerial

O ministro da Secretaria de Comunicação Social, Franklin Martins, relatou, nesta segunda-feira, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu, durante a primeira reunião ministerial após a reforma, esforço dos ministros para a aprovação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, fez uma apresentação dos objetivos e linhas-mestras do PAC. Dilma disse, segundo Martins, que uma primeira avaliação das obras rodoviárias previstas no PAC foi fechada no dia 30 de março e deve ser divulgada dentro de duas semanas. A ministra antecipou que os indicadores de desempenho de janeiro e fevereiro são positivos. Das 50 principais obras do PAC, incluindo as de outros setores, como o de energia e o ferroviário, 74% estão com desempenho adequado, 17% merecem atenção, e 9% estão preocupantes.Martins contou que o presidente Lula destacou a diferença entre o PAC e outros programas recentes de planejamento. O presidente disse que os demais programas foram elaborados por consultorias e, como o governo não se envolveu no planejamento, teve dificuldade em acompanhar a execução das obras.Luz para TodosFranklin Martins informou ainda que o ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau, disse que, após a implantação do programa Luz para Todos, aumentou a compra de televisores pelos beneficiários. Segundo Rondeau, 430 mil aparelhos de televisão foram adquiridas por beneficiários. O programa resultou, também, em um aumento do número de eletricistas em várias cidades. Reajuste salarial O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, afirmou que o limite de correção (inflação mais 1,5%) previsto no PAC para os salários do funcionalismo público é uma batalha fundamental para o sucesso do programa, segundo relatou Franklin Martins.Segundo Martins, Bernardo disse que essa política garante a recomposição efetiva dos salários, mas dentro do que é "razoável" e que o governo deve apresentar uma proposta salarial para quatro anos.Lula disse também que o governo precisa fazer todo o esforço possível para que a proposta de reajuste seja aprovada pelo Congresso Nacional nos termos em que o texto foi enviado pelo Executivo. Rodada DohaLula concluiu a reunião ministerial comentando o encontro que teve neste final de semana, em Washington, com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Franklin Martins contou que Lula ficou satisfeito com o encontro e acredita que a viagem consolida uma parceria estratégica para o Brasil. Martins contou ainda que o presidente considerou fundamental o compromisso assumido por Bush de apresentar em 30 dias uma proposta para destravar a rodada Doha, na Organização Mundial do Comércio (OMC). Posse coletivaA portas fechadas, o encontro foi uma espécie de "posse coletiva" em que o presidente apresentou um balanço dos primeiros quatro anos de governo, com resultados obtidos na economia e na redução da desigualdade social. Lula fez a abertura do encontro dizendo que o os ministros foram convocados para que fossem apresentadas as metas do governo. Franklin Martins disse que a reunião serviu "para botar os ministros novos no time antigo". Ele disse que a reunião, nas palavras do próprio presidente, serviu para as pessoas se conhecerem.Não participaram da reunião o ministro da Cultura, Gilberto Gil, que está de licença, e a ministra da Promoção da Igualdade Racial, Matilde Ribeiro, que viajou para o Senegal.Este texto foi alterado às 16h10.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.