Lula, Dirceu e Palocci se reúnem com governadores

O governo atua hoje em duas frentes para tentar acordos nas duas reformas em discussão no Congresso - a previdenciária e a tributária. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem mais uma rodada de conversa com os cinco governadores que integram a comissão de negociação das reformas, desta vez para tentar fechar um texto sobre as mudanças no sistema tributário. Segundo o governador Marconi Perillo (GO), a expectativa dos governadores é que o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, já pela manhã, em encontro previsto para às 10h30, apresente propostas concretas de repasse aos Estados de uma parte dos recursos arrecadados pela União, como Cide e CPMF. Os governadores esperam também que seja definida com o ministro a cobrança do ICMS no destino e na origem das mercadorias, um dispositivo que ainda não tem consenso nem decisão do relator da reforma tributária, deputado Virgílio Guimarães (PT-MG). Desse encontro com Palocci participa, além dos governadores, o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, que antecipou a Perillo a intenção de Palocci de apresentar uma proposta mais concreta. Mas, antes mesmo de se reunir com os governadores, Dirceu inicia seu dia tentando aparar arestas na base aliada do governo na Câmara em relação à reforma previdenciária. Será no café da manhã, na casa do presidente da Câmara, deputado João Paulo Cunha (PT-SP). O governo quer convencer os líderes aliados a votarem sem alterações, na comissão especial, a proposta apresentada pelo relator, deputado José Pimentel (PT-CE). O cuidado do ministro é o de evitar desgastes para o presidente Lula, que acertou mudanças na proposta original da Previdência com os governadores na semana passada, mesmo desagradando seus aliados na Câmara. Na reunião de hoje com os líderes, o ministro Dirceu pretende também acertar a data de votação da reforma da Previdência na comissão especial. A bancada do PT, por sua vez, marcou uma reunião para às 10h com o objetivo de fechar questão em torno do relatório de Pimentel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.