Lula: Dilma vai contar com um Senado mais flexível

Na entrevista que concedeu hoje para rádios comunitárias, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a presidente eleita, Dilma Rousseff, "é uma entusiasta da nova regulação da comunicação do Brasil". Segundo ele, "a Dilma não veio de onde eu vim, mas ela vai para onde eu vou. Ela vai fazer muita coisa, pode ficar certo que ela é uma mulher com uma cabeça boa, arejada, que tem compromissos sociais com o povo e acho que vai fazer coisas extraordinárias", disse Lula.

TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

02 Dezembro 2010 | 18h53

O presidente comentou que o novo governo terá mais facilidades de aprovar propostas no Congresso porque o Senado estará mais favorável a ela."Hoje temos uma correlação de forças no Congresso Nacional melhor do que no governo passado. Poderemos avançar. O resultado da eleição foi melhor e o Senado será muito mais flexível. Temos mais senadores, gente com a cabeça mais arejada", declarou.

Lula se queixou que, durante a campanha, descobriu que "na maioria das cidades do interior as pessoas não viam a propaganda dos candidatos do Estado porque só tem TV parabólica". E aí passou a fazer uma defesa de mudanças no setor:"As pessoas pensam que sou contra determinadas coisas. Eu não sou contra. Só que eu acho que não é normal que a gente não tenha conseguido criar as condições - e eu espero que a gente consiga agora com a regulação - para que tenha uma televisão nacional. É importante que as pessoas vejam o que tem em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas é importante que São Paulo e Rio de Janeiro vejam o que tem em Minas Gerais, Pará, Manaus Porto Velho, Roraima", disse o presidente.

"É preciso mostrar uma inteiração, porque a democracia tem uma mão para ir e uma mão para voltar. Não é só as pessoas de Manaus, Parauapebas, Maués, Porto Velho, Macapá assistirem as coisas com o olhar da cultura do Centro-Sul do País. Por isso nós trabalhamos a necessidade que você tenha uma programação regional mais forte", completou Lula.

Mais conteúdo sobre:
Lula Dilma comunicação Congresso TV

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.