Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Lula e Dilma pedem a libertação de Assange em carta de líderes da esquerda

Texto é assinado também por outros nomes da esquerda na América Latina, como Ernesto Samper, Fernando Lugo e Aloizio Mercadante

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2021 | 08h01

Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Dilma Rousseff (PT) assinaram uma carta que pede liberdade para Julian Assange, fundador do WikiLeaks. O documento, divulgado neste domingo, 12, pela organização de esquerda Grupo de Puebla, afirma que a prisão do americano é um “triunfo da opressão, do silêncio e do medo”. 

O texto foi assinado por líderes da esquerda de diversos países da América Latina, incluindo o ex-presidente da Colômbia Ernesto Samper e o ex-presidente do Paraguai  Fernando Lugo. Entre os brasileiros, também assina a carta o ex-ministro da Educação Aloizio Mercadante.

Assange ficou mundialmente conhecido em 2010, quando divulgou milhares de documentos diplomáticos e militares americanos. Em 2016, publicou milhares de mensagens secretas da campanha da democrata Hillary Clinton, rival de Donald Trump nas eleições daquele ano. 

Na última sexta-feira, 10, a Justiça do Reino Unido determinou que o criador do WikiLeaks pode ser extraditado para os Estados Unidos para responder a acusações de espionagem. O australiano, que tem 50 anos, é alvo de pelo menos 17 acusações criminais e pode ser condenado a até 175 anos de prisão.

Segundo a carta assinada por Lula e Dilma, a determinação do tribunal britânico é um “grave erro judicial” que abre precedentes contra a liberdade de expressão e os direitos humanos.

“A decisão do Tribunal de Westminster (Reino Unido), de 10 de dezembro de 2021, que possibilita a extradição de Julian Assange aos EUA, não é apenas um grave erro judicial que põe em risco sua vida, como sua advogados de defesa, mas sim uma decisão que abre sérios precedentes na violação do direito humano à liberdade de expressão e informação”, diz o documento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.