Lula deveria afastar Dirceu, diz Garotinho

O ex-governador do Rio e atual secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, disse que o ministro da Casa Civil, José Dirceu, deve ser afastado do cargo até que sejam concluídas as investigações contra o ex-subchefe de Assuntos Parlamentares da Presidência, Waldomiro Diniz. "Se eu fosse o Presidente da República, eu afastava o José Dirceu", afirmou hoje o secretário, em seu programa de rádio. Pessoalmente, em entrevista concedida no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, ele não foi tão enfático, mas confirmou a estreita ligação entre Diniz e Dirceu. Garotinho apontou o ex-presidente da Loterj como um elo entre o atual governo federal e a administração do Estado e alegou que o manteve na Loterj mesmo após o rompimento com o PT devido a um acordo com os próprios petistas."É preciso uma investigação séria porque não há a menor dúvida de que ele (Diniz) era a pessoa de maior confiança do ministro José Dirceu. Isso eu posso testemunhar", afirmou Garotinho, em entrevista concedida na sala vip do Aeroporto Internacional Tom Jobim, quase uma hora depois de seu desembarque, vindo de Israel, onde estava em viagem oficial com a mulher, a governadora do Rio, Rosinha Matheus.Citada como beneficiária de doações negociadas por Diniz com o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, na campanha eleitoral de 2002, Rosinha negou ter recebido os recursos. Assim como o marido, insistiu na amizade entre Dirceu e Diniz e repetiu que a permanência dele na Loterj (responsável pela autorização e funcionamento dos bingos no Estado do Rio) fez parte de um acordo. "Ele é amigo do José Dirceu. Ele é da cota do PT. Quando o PT saiu do governo Garotinho, algumas pessoas permaneceram até a pedido de outras pessoas", disse Rosinha, de forma confusa, sem entrar em detalhes sobre nomes de padrinhos e apadrinhados. "Esse é um problema que deve preocupar ao Lula e ao José Dirceu. Não a nós", desconversou.Garotinho contou ter conhecido Diniz em 1999, quando foi a Brasília convidar o então governador Cristovam Buarque para ser secretário de Educação, e foi recebido pelo ex-subchefe. "O Cristovam disse que tinha um outro projeto, que não queria participar do governo, mas que gostaria de colaborar. Então, convidei o Waldomiro, dentro dos entendimentos que estavam sendo feitos com o PT", destacou Garotinho, acrescentando que esteve com Diniz há menos de 20 dias, no gabinete de Dirceu."Fui para uma audiência com o ministro José Dirceu, levado pelo Renan Calheiros (senador pelo PMDB-AL). Todo mundo sabe que eu e o José Dirceu estamos profundamente atritados politicamente. E quem fez sala para mim, ficou aguardando e participou da reunião foi o senhor Waldomiro", revelou. "Quando o José Dirceu queria ligar, era ele (Diniz) que ligava primeiro", acrescentou Rosinha, avisando que pode entrar na Justiça contra o ex-subchefe. "Se ficar confirmado isso (que ele usou o nome dela para conseguir dinheiro), eu terei de processá-lo porque ele não fez parte da minha campanha e nem da minha equipe". José Dirceu, que participou da festa de 24 anos do PT na noite de sexta-feira, dormiu no Rio e viajou por volta das 10 horas de ontem para Brasília. Saiu pela garagem, sem dar declarações. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva também dormiu no Rio e embarcou para Brasília às 9 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.