Lula deve nomear duas mulheres para cargos-chave no STF

Se os fatos confirmarem as expectativas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deverá nomear nos próximos seis meses duas mulheres para cargos-chave na Justiça. A indicação para o Supremo Tribunal Federal (STF) da ex-procuradora-geral do Estado de Minas Gerais no governo Itamar Franco, Carmem Lúcia Antunes Rocha, é tida como certa por ministros do STF e de tribunais superiores, advogados e políticos do PT. Já a subprocuradora da República Ela Wiecko de Castilho é considerada uma das favoritas para suceder o atual chefe do Ministério Público Federal, Geraldo Brindeiro.Até maio, três vagas surgirão no STF com a aposentadoria compulsória aos 70 anos dos ministros Ilmar Galvão, Moreira Alves e Sydney Sanches. No próximo ano, o futuro presidente do Supremo, Maurício Corrêa, também terá de deixar a Corte, que é encarregada de analisar, entre outros temas, a constitucionalidade das leis. Em 2006, será a vez de o ministro Carlos Velloso aposentar a toga. Já Brindeiro encerrará em junho o seu quarto mandato como procurador-geral da República. As chances de ele ser reconduzido por Lula para mais um mandato de dois anos são consideradas inexistentes nos meios jurídicos.Tanto Carmem Lúcia como Ela Wiecko são tidas como mulheres fortes da Justiça, área até há poucos anos monopolizada pelos homens. Conforme informações de bastidores do Judiciário, a ex-procuradora de Itamar tem como um de seus padrinhos o ministro do STF Sepúlveda Pertence, que é um freqüente interlocutor de Lula. Além dele, pelo menos outros três integrantes do Supremo costumam elogiar publicamente Carmem Lúcia. Já Ela Wiecko é especializada na investigação de crimes contra o sistema financeiro e na defesa das comunidades indígenas. Além dela, é cotado para a vaga o subprocurador Cláudio Fontelles, que participou de investigações contra o ex-presidente Fernando Collor de Mello.Para ocupar as outras vagas no STF, existem várias possibilidades de preenchimento. Para prestigiar os movimentos de defesa dos afro-descendentes, acredita-se que Lula poderá indicar um negro para o Supremo. O mais citado nas conversas entre políticos e juristas é o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Carlos Alberto Reis de Paula. O que se comenta em Brasília é que Lula gostaria, na realidade, de indicar para o STF velhos consultores e companheiros, como o atual ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e os advogados Celso Antonio Bandeira de Mello e Fábio Konder Comparato. O problema é que, como o próprio ministro da Justiça costuma afirmar, o grupo liderado por Lula demorou para chegar ao poder. Os três advogados passaram dos 65 anos, idade limite para ingressar no Supremo. Agora, podem apenas dar palpites sobre quem irá ocupar as cadeiras que poderiam ser deles se Lula tivesse vencido antes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.