Lula deve lançar candidatura antes de junho, diz Palocci

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, admitiu ser inevitável que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva lance sua candidatura antes de junho. "Ele resiste a lançar sua candidatura, falou que quer pensar melhor, mas eu acho que é inevitável". Segundo Palocci, Lula fez bem ao Brasil nesses quatro anos e a forma como vê a distribuição de renda dos setores mais frágeis é importante para o País. "Você não precisa ter um governo focado nestas questões durante 30 anos. Mas você ter um ou dois governos que olhem fortemente para a questão social e para a questão do equilíbrio faz bem ao governo", afirmou o ministro em entrevista ao programa Show Business, da Rede TV!.Palocci admitiu ainda que poderá deixar o Ministério da Fazenda para assumir a coordenação política da campanha de Lula à reeleição. "Se o presidente precisar que eu trabalhe na questão eleitoral é evidente que vou analisar isso."AdversáriosQuestionado se o PT preferiria enfrentar o prefeito de São Paulo, José Serra, ou o governador Geraldo Alckmin, ambos dos PSDB, nas próximas eleições, o ministro respondeu em tom de brincadeira: "Eu preferia nenhum dos dois. São dois excelentes candidatos. São pessoas com as quais eu tenho um relacionamento profissional cordial. São políticos de boa qualidade para o País. Eu tenho dito ao presidente Lula, ele também acha isso, que numa campanha você não escolhe adversários. Acho que as coisas vão se acomodando e vamos ver como a disputa vai se dar este ano".Significado do PTO ministro admitiu que a crise política pode levar o PT a perder muitos dos seus antigos eleitores no pleito deste ano. No entanto, Palocci destacou que o brasileiro está muito mais preparado para analisar o candidato. "O populismo está perdendo muito espaço. O eleitor está mudando isso porque está se tornando mais crítico. O eleitor pode dar um puxão de orelha no PT, mas ele sabe também da história do partido e do compromisso do presidente Lula. Ele sabe que acima dos problemas que ocorrem com o partido está a luta das pessoas para fazer o melhor para o País. A população saberá reconhecer o significado do PT."Taxa de jurosO ministro voltou a defender a autonomia do Banco Central e o uso da taxa de juros como elemento de combate à inflação. "No momento em que o Banco Central era criticado por 11 entre 10 críticos, a evolução dos acontecimentos mostrou que ele estava certo. Nenhum de nós gosta de trabalhar com juros altos. Nem eu, nem o próprio presidente Meirelles (Henrique Meirelles, do Banco Central) nem o presidente Lula. Ninguém gosta de juros altos. Mas pior que juros altos é inflação."PolêmicaSegundo Palocci, a taxa de juros é polêmica, mas cumpre um papel importante. "Se por um lado ela causa efeitos negativos para exercer o controle da inflação, por outro é importante verificar que quando cumpre o seu papel ela induz a um processo de crescimento muito forte. Se nós imaginarmos que no começo de 2005 estávamos rodando com uma inflação em torno de 8% tendendo para 9% e que terminamos o ano passado com a inflação em torno de 5% tendendo agora para 4,5%, nós vamos ver que essa queda fará uma grande diferença na renda da população brasileira. E esse ganho de renda defende o valor do trabalho das pessoas e é um motor de crescimento mais sustentável."InflaçãoPalocci avaliou que a inflação tem se mostrado estável e que é muito provável que o Banco Central mantenha o ciclo de queda na taxa básica de juros em 2006. "Tudo vai depender do comportamento da inflação. O nosso foco não é o nível dos juros, mas o controle da inflação. Aparentemente, a inflação tem uma boa cara este ano. Se continuar assim, o Banco Central continuará a reduzir os juros."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.