Lula deve anunciar Ministério com poucas mudanças

Com a sinalização de que vai confirmar o deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) no Ministério da Integração Nacional, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva praticamente concluiu o desenho da nova equipe, que deve ser anunciada na próxima semana.Resta ao presidente administrar a demanda do PT pela inclusão da ex-prefeita Marta Suplicy e a insistência do PMDB da Câmara pela Agricultura. Lula tende a resistir aos dois movimentos, segundo interlocutores políticos.Tarso Genro também confirmou que a reforma ministerial está 90% pronta "na cabeça do presidente", mas não quis comentar a situação de Marta. Ele confirmou apenas que a bancada do PMDB na Câmara terá um ministro e que os atuais postos ocupados pelo partido devem ser mantidos.Lula reforçou a posição dos ministros das Cidades, Marcio Fortes (PP), e da Educação, Fernando Haddad (PT), pastas com "perfil" para Marta. O ministro da Agricultura, Luiz Carlos Guedes Pinto, ganhou um reforço de peso ao receber o apoio do governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR).Lula está muito próximo de alcançar o objetivo que traçou em novembro, logo depois da reeleição: manter a base que já o apoiava, incorporando o PDT e a antiga ala oposicionista do PMDB, fazendo mudanças apenas pontuais.Nomes definidosSomente uma medida pode ser tomada contrariando o projeto original: a criação de mais uma secretaria, de Portos e Aeroportos, que serviria para compensar o PSB pela perda do Ministério da Integração, disse um ministro aliado. O PSB ganharia ainda o comando da Sudene e do Banco do Nordeste do Brasil, segundo essa fonte.O PDT deve ser contemplado com a Previdência e, também nesse caso, Lula deve fazer uma mudança de planos. Ele gostaria de indicar o deputado Miro Teixeira (RJ), mas o partido fechou questão em torno do presidente Carlos Luppi, oferecendo como opção o secretário-geral Manoel Dias.O ministro do Turismo, Walfrido Mares Guia, parou de negar sua provável indicação para as Relações Institucionais, acumulando as duas pastas. Agora ele responde apenas que fará "qualquer coisa que o presidente Lula quiser."Deslocando Tarso Genro para a Justiça, Lula espera cumprir outro objetivo: isolar o Planalto das disputas internas do PT. Mares Guia transita pelo PTB e outras legendas "de centro", como se diz no Planalto.O retorno do senador Alfredo Nascimento (PR-AM) para o Ministério dos Transportes vai apenas encerrar período em que ele se afastou para disputar as eleições, há quase um ano. Fortalecido, o PR levará ainda o comando do Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT).O presidente do PMDB, Michel Temer (SP), e o líder da bancada na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), serão recebidos no Planalto na tarde dessa terça-feira, 6, para sacramentar a participação no governo dessa ala do PMDB, que se aliou ao governo depois da reeleição.PMDBPolíticos que conversaram com Lula na última segunda-feira informaram que o presidente decidiu que o PMDB vai manter os dois ministros indicados pelos senadores (Silas Rondeau, de Minas e Energia, e Hélio Costa, Comunicações), para preservar uma aliança feita no auge da crise política de 2005.Para a Saúde, vai o ex-presidente do Instituto Nacional do Câncer, José Gomes Temporão, apadrinhado pelo governador do Rio, Sérgio Cabral, também na cota do PMDB. O ministério do deputado Geddel será o quinhão da Câmara.Lula ainda não decidiu se aceitará a indicação do deputado Walter Pinheiro (PT-BA) para o Ministério do Desenvolvimento Agrário. Ele analisa outros nomes de petistas indicados pelos movimentos sociais ligados à reforma agrária.Lula manteve sempre fora de cogitação mudanças na equipe econômica e na dupla de ministros do Planalto, Dilma Roussef (Casa Civil) e Luiz Dulci (Secretaria Geral).Texto ampliado às 17h33

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.