Lula destaca programas sociais em carta ao Congresso

Em mensagem enviada hoje ao Congresso por ocasião da abertura de seus trabalhos legislativos, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva destacou que a luta contra a fome e a pobreza, por meio de programas como o Bolsa Família, está dando resultado e tem tido reconhecimento no País e no exterior. "No ano passado, a Organização das Nações Unidas (ONU) incluiu o Brasil, pela primeira vez, no grupo dos países com alto Índice de Desenvolvimento Humano", ressaltou. "Crescer de modo sustentado e com inclusão social tem sido o nosso objetivo maior e, sem dúvida, a mais significativa conquista destes últimos anos", acrescentou.Outro ponto destacado em sua mensagem foi o Plano de Aceleração do Crescimento(PAC), criado em 2007. "Tenho certeza de que neste ano de 2008, o Brasil inteiro começará a sentir de perto os efeitos da implantação das ações do PAC, transformando-se cada vez mais em um verdadeiro canteiro de obras". Segundo o presidente, serão investidos, até 2010, R$ 504 bilhões em rodovias, ferrovias, hidrovias, energia, portos e aeroportos, habitação, água potável e saneamento básico por todo o País. Lula acrescentou que o governo está empenhado não só em fazer mais, mas de forma mais racional e barata. "Alguns exemplos significativos demonstram isso: nas licitações para exploração de rodovias, o preço dos pedágios caiu fortemente; no leilão da usina de Santo Antonio, no rio Madeira, o custo do megawatt/hora voltou aos patamares do início da década de 90", afirmou o presidente em sua mensagem.Lido pelo primeiro secretário da Câmara, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), Osmar Serraglio, o texto do presidente destacou ainda os resultados econômicos obtidos pelo País em 2007. Lula avalia que o crescimento em 2008 será semelhante ao de 2007. "A economia brasileira certamente cresceu mais de 5% no ano passado, com baixa inflação, e, neste ano, continuará crescendo em ritmo semelhante porque os seus fundamentos estão sólidos e ganharam a confiança de todos, tanto interna como externamente", disse o presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.