Lula deseja que Marina seja feliz após escolher deixar o PT

Presidente diz querer que ex-ministra do Meio Ambiente 'tenha paz, tranquilidade e acerte sua vida'

João Domingos, de O Estado de S. Paulo,

22 de agosto de 2009 | 13h23

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva desejou que a senadora Marina Silva (AC) seja feliz na opção que fez, de deixar o PT, com a promessa de entrar no PV e disputar a sucessão dele no ano que vem. E levantou dúvidas sobre a possibilidade de ela dividir o eleitorado petista e tirar votos da candidata oficial, Dilma Rousseff, ministra da Casa Civil, lançada por Lula dois anos antes da eleição.

 

"A única coisa que desejo para a Marina é paz e tranquilidade, que ela acerte na nova vida dela e que seja feliz", disse Lula na saída do hotel em que pernoitou, em Rio Branco, de onde seguiu para um encontro com o presidente da Bolívia, Evo Morales. Lula disse não ter estranhado o fato de estar no Acre e, desta vez, ao contrário das anteriores, estar longe Marina. "Sem problemas. Já vim aqui muitas vezes e a Marina não estava".

 

Em seguida, o presidente levantou dúvidas sobre a capacidade de Marina de dividir o PT. Disse que nem ele consegue fazer isso. "É muito difícil dividir o eleitorado do PT. Acho que nem eu divido. Petista é igual a flamenguista e corintiano, não se divide nunca". Lula afirmou ainda que não podia manifestar opinião a respeito da decisão do senador Aloizio Mercadante (SP), que anunciou a renúncia, em "caráter irrevogável", da liderança do PT no Senado, e desistiu da ideia. "Não vi o discurso (dele), não vi".

 

Lula passou parte da tarde de sexta-feira em Rio Branco, onde visitou um canteiro de obras de casas populares feitas pelo governo do Acre, e participou da cerimônia de assinatura de autorização da Caixa Econômica Federal para o financiamento de construção de 4 mil residências. Somadas a outras 6 mil que o governo acreano está fazendo, serão 10 mil casas. "É o maior programa de construção de casas populares da história do Estado", comemorou o governador Binho Marques (PT), ao lado de Lula.

 

O presidente jantou na casa do ex-governador Jorge Viana, onde ficou até por volta de meia-noite. De acordo com um dos presentes, as conversas giraram principalmente sobre futebol - Lula provocou Viana, que é torcedor do Botafogo, equipe que está na zona de rebaixamento da Série A do Campeonato Brasileiro - e sobre pescarias. A respeito da decisão de Mercadante, Lula comentou com Viana que o líder tomou uma decisão "madura e partidária".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.