Lula descarta tese do 3º mandato, mas aliados se movimentam no Congresso

Presidente dá declaração enfática em Pequim, enquanto aliado coleta assinaturas para propor mudança na lei

Cláudia Trevisan e João Domingos, O Estadao de S.Paulo

21 de maio de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva descartou enfaticamente ontem em Pequim a possibilidade de disputar um terceiro mandato, diante da eventual inviabilidade da candidatura presidencial da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, por conta de seu estado de saúde. "Eu não discuto essa hipótese. Primeiro, porque não tem terceiro mandato e, segundo, porque a Dilma está bem", afirmou Lula pela manhã, pouco antes de deixar a China rumo à Turquia.Lula disse que conversou ontem à noite com o médico da ministra, Roberto Kalil, e foi informado de que as dores haviam passado. "Foi uma reação à quimioterapia e os médicos disseram que não tem nenhum problema", observou. "A Dilma vai fazer a quimioterapia dela, mas ela está totalmente curada. Não tem problema."A ministra foi internada na madrugada de terça-feira no Hospital Sírio Libanês em São Paulo com fortes dores na perna, efeito colateral da quimioterapia a que ela se submete. Dilma teve alta ontem, mas deve reduzir seu ritmo de trabalho. Mesmo com as declarações enfáticas de Lula em Pequim, em Brasília, a parte da base aliada ao Planalto que defende mais uma reeleição para o presidente não se desarmou no Congresso. O deputado Jackson Barreto (PMDB-SE) continuou ontem a coletar assinaturas para sua proposta de emenda constitucional, que se aprovada possibilitará a Lula a sexta candidatura consecutiva desde o fim da ditadura militar."Já tenho 178 assinaturas de apoio ao projeto e um monte de gente querendo aderir", disse Barreto, que pretende apresentar a proposta no fim do mês. Já o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP) informou que não mais apresentará seu projeto de convocação de plebiscito para a população decidir se quer ou não um terceiro mandato para Lula. "Ele me desautorizou a continuar. Então, não existe mais nenhum projeto Devanir Ribeiro."Mesmo com as advertências de Lula, e com a desistência de Devanir, o deputado Carlos Willian (PTC-MG) faz clara defesa de um terceiro mandato para todos que encontra, assim como Fernando Marroni (PT-RS). Para completar o pacote, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) apresentou ontem projeto que muda a Lei Eleitoral e reduz de um ano para seis meses o prazo para a troca de partidos. Assim, em vez de todos se definirem até setembro, como determina a lei, poderiam fazer as mudanças até abril. "O que quis foi dar uma chance a todos para que possam optar pelo partido já bem próximo da eleição", explicou Cunha. Na prática, serviria, por exemplo, para uma hipotética mudança de partido por parte do governador de Minas, Aécio Neves, caso seja preterido pelo PSDB para disputar a Presidência. NA LINHA DE FRENTEJackson Barreto (PMDB-SE)Prepara uma emenda constitucional que autorizaria o presidente Lula a disputar um novo mandatoDevanir Ribeiro (PT-SP)Primeiro a defender a ideia, nunca chegou a apresentar a emenda constitucional que poderá dar ao presidente condições deconcorrer novamenteFernando Marroni (PT-RS)Vem defendendo publicamente mais um mandato para Lula, mas foi desautorizado por colegas de partido Carlos Willian (PTC-MG)É outro que propaga a necessidade de dar mais um mandato para o presidente Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.