Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Testemunha de Cunha, Lula chama Temer de ‘ingrato’

Petista afirma a magistrado, via videoconferência, que não recebeu pedido de presidente para dar cargo a Moreira Franco na Caixa

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2017 | 17h26

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestou depoimento nesta terça-feira, 4, no Fórum de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, como testemunha de defesa do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no processo que acusa o peemedebista e o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) de participarem de um esquema de corrupção na Caixa Econômica Federal.

O depoimento foi tomado, via videoconferência, pelo juiz federal de Brasília Vallisney de Souza Oliveira. A audiência durou menos de dez minutos. Nela, Lula disse que não recebeu qualquer pedido de Michel Temer para que o atual ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, fosse nomeado vice-presidente da Caixa Econômica Federal. Lula afirmou que a indicação teria sido do próprio PMDB e de toda a base aliada.

O ex-presidente ressaltou que a escolha “normalmente passava pelo ministro das Relações Institucionais, Ministério da Fazenda e Casa Civil”. Segundo ele, depois desse caminho, a nomeação era levada novamente à Presidência da República e, não havendo nada que desabonasse o escolhido, era confirmado. Além disso, Lula disse não se recordar de um suposto encontro em que Temer e Moreira, ainda em 2010, teriam agradecido a ele a nomeação e confiança. “Não agradeceram. Foram ingratos”, disse.

Liberação. No depoimento, Lula também afirmou desconhecer qualquer influência de Cunha na liberação de recursos do Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FI-FGTS) e uma preferência para projetos que fossem de interesse da Odebrecht. Ele também afirmou não saber de nenhuma irregularidade no financiamento do projeto do Porto Maravilha (revitalização da área portuária para a Olimpíada).

Cunha é suspeito de ter cobrado propina para liberar empréstimo com juros reduzidos por meio do FI-FGTS. Segundo a Polícia Federal, o fundo teria gerado cerca de R$ 20 milhões de propina para políticos – o deputado cassado, preso em Curitiba, está entre eles. Alves, ex-ministro do Turismo, que está preso em Natal, é réu na mesma ação penal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.