Lula defende reforma do Judiciário com controle externo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu hoje, em um discurso de 33 minutos, a reforma do Judiciário com controle externo. "É preciso saber como funciona a caixa preta desse poder que se considera intocável", afirmou o presidente, em solenidade no Palácio Anchieta, sede do governo do Espírito Santo. "Este país precisa voltar a recuperar o sentido da justiça para todos e a auto-estima. As instituições foram feitas para servir às pessoas e não se servir das pessoas", disse Lula. O presidente considerou que o crime organizado tem vencido "de forma vergonhosa? a polícia do País. "Isso tem de acabar", disse ele. "Hoje não estamos enfrentando ladrão de galinha, mas uma indústria, uma coisa multinacional do crime organizado". Ele defendeu maior integração entre todas as polícias - a Federal, a civil e a militar - e as Forças Armadas no combate ao tráfico de drogas e à criminalidade em geral. "Queremos ter um sistema de segurança pública que não cometa erros?. Em seu discurso, o presidente lembrou o assassinato do juiz Alexandre Martins de Castro Filho, ocorrido há 29 dias em Vila Velha, por ordem de integrantes do crime organizado. "Sei que, como ele, outros podem ser vítimas da violência", disse. "Custe o que custar, nós vamos derrotar o crime organizado neste Estado e neste País", afirmou. Estavam presentes à solenidade cinco deputados estaduais do Espírito Santo que tiveram prisão pedida pelo ministério Público Federal por terem recebido propina do ex-presidente da Assembléia Legislativa, José Carlos Gratz, acusado de ser o braço político do crime organizado no Estado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.