Lula defende política de aproximação a países vizinhos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu a política do governo de aproximação com países vizinhos. Em discurso no 33º encontro da Comissão Econômica para América Latina e Caribe das Nações Unidas (Cepal), ele disse que o Brasil não pode dar as costas para os "parceiros" do continente.

TÂNIA MONTEIRO E LEONENCIO NOSSA, Agência Estado

01 de junho de 2010 | 20h52

"Tem gente até hoje que acha que nossa relação com a América do Sul é um retrocesso", disse. "Fui muito atacado quando disse que ia priorizar a relação com a América do Sul, a América Latina, a África e os países árabes".

Há duas semanas, o pré-candidato tucano à Presidência, José Serra, fez severas críticas ao formato atual do Mercosul e ao modelo de encontro de presidentes latino-americanos, numa crítica direta à política do governo Lula. Serra avaliou que o Mercosul é uma barreira para o Brasil fazer novos acordos e que a zona aduaneira é uma farsa.

No seu discurso, Lula não citou Serra, mas foi direto nas críticas à política externa e econômica do governo Fernando Henrique Cardoso. Lula disse que o "Brasil" disputava com o então presidente argentino Carlos Menem (1989-1999) quem era mais amigo de países ricos, não priorizando a relação com países emergentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.