Lula defende mudanças nas leis trabalhistas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta quarta-feira mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Em uma solenidade em que recebeu a Ordem do Mérito Judiciário do Trabalho, Lula disse que é preciso que o País se ajuste às realidades contemporâneas, diferente do que existia nas décadas de 40 e 50. Eu sou defensor de que nós precisamos mudar a legislação trabalhista", disse o presidente, completando: "Para que não fiquemos defasados até na nossa relação comercial com outros países". Lula esclareceu que as mudanças que defende não seriam para "deixar o trabalhador pior do que ele está hoje", mas que um dono de carrocinha de cachorro-quente, como citou como exemplo, não pode estar subordinado à mesma legislação que uma multinacional. "Essa realidade os dirigentes sindicais terão que compreender, o governo terá que compreender e eu acho que todos nós teremos que compreender. Porque, muitas vezes, em defesa de uma igualdade a gente permite que a maioria fique marginalizada", afirmou. De acordo com o presidente, o debate sobre a legislação trabalhista será feito no próximo ano, envolvendo empresários, movimento sindical e o judiciário. Lula ressaltou que não é intenção do governo acabar com a CLT, mas promover mudanças que sejam consenso e possam ser aprovadas pelo Congresso. "E assim vamos fazer a reforma do Judiciário, assim nós vamos fazer a reforma trabalhista, assim nós vamos fazer a reforma sindical e assim nós vamos fazer tantas reformas quantas forem necessárias para que o Brasil se modernize cada vez mais e possa estar nesse mundo competitivo", disse o presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.