Lula defende maior fatia no ´bolo´ da riqueza mundial

Com o pé menos inchado e calçando um sapato no pé direito, em vez da atadura que exibia na véspera, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursou na abertura da primeira cúpula África-América do Sul, nesta quinta-feira, defendendo a união dos países das duas regiões para buscar uma maior participação "no bolo" das riquezas mundiais.Apesar da ausência de muitos líderes importantes dos dois continentes, Lula disse que o encontro demonstra uma vontade política dos países africanos e sul-americanos de unir forças para lutar por melhores condições de desenvolvimento.O presidente Lula rebateu as críticas à realização de cúpulas como esta. "Muitas vezes as pessoas dizem que a reunião não aprovou nada, não resolveu nada, mas somente o fato de juntarmos aqui figuras importantes da África e da América do Sul já demonstra que o século 21 poderá ser muito melhor para a África e para a América do Sul do que foi o século 20", disse."No meu segundo governo, vamos aprofundar ainda mais os laços com as nações africanas", acrescentou. Lula foi o segundo presidente a discursar, após o anfitrião Olusegun Obasanjo, presidente da Nigéria. Além dos dois, também discursaram o líder líbio Muammar Khadafi, o boliviano Evo Morales e o argelino Abdelaziz Bouteflika.Encontros políticosNa quarta-feira, o inchaço no pé levou Lula a cancelar uma série de compromissos agendados, entre eles sua participação no banquete de abertura oficial do encontro, na residência oficial do presidente nigeriano.Por orientação médica, Lula ainda usava uma cadeira de rodas para os deslocamentos mais longos na manhã desta quinta-feira.Antes da abertura da cúpula, Lula se reuniu por cerca de meia hora com Khadafi. Segundo a assessoria do presidente, os dois discutiram a relação comercial e a integração política entre as duas regiões.Após ter sido adiado da tarde de quarta-feira para a manhã desta quinta-feira, o encontro com Khadafi começou com 45 minutos de atraso em relação ao horário marcado.Lula deve seguir de volta ao Brasil no fim da tarde desta quinta-feira, após o encerramento da cúpula. Após o fim da cúpula, na quinta-feira, os líderes deverão divulgar um comunicado conjunto e um plano de ação com temas de interesse mútuo entre as duas regiões.Os documentos devem tratar de questões nas áreas de comércio internacional, infra-estrutura, uso dos recursos naturais, agricultura, turismo e segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.