Lula defende liberdade de expressão ao abrir a Bienal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez na noite desta sábado uma defesa da liberdade de expressão durante a abertura da 26º Bienal Internacional de São Paulo. A fala de Lula representou um esforço para tentar reverter as críticas do setor cultural ainda insatisfeito com a proposta do governo para a criação da Agência Nacional de Cinema e Audiovisual (Ancinav). "A liberdade não é apenas um direito do artista. É o próprio oxigênio da Nação. E o artista não pode se submeter a receitas", afirmou o presidente, que foi aplaudido quando chegou ao evento.Em conversas com assessores e ministros o presidente Lula comemorou a última pesquisa de intenção de voto pela prefeitura de São Paulo que mostra empate da prefeita Marta Suplicy (PT) com o candidato José Serra (PSDB). O presidente só não gostou de saber que a candidata petista poderá perder até 32 minutos (16 na TV e 16 no rádio) de suas inserções na propaganda gratuita por causa de um recurso dado pela Justiça eleitoral ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.A participação inesperada de Lula na abertura da Bienal provocou uma grande improvisação dos organizadores do evento para assegurar a montagem do esquema de segurança para o presidente. Menos de uma hora antes de sua chegada, foram instalados os detectores de metal necessários para fazer a revista dos presentes. Mesmo assim, havia vários pontos na Bienal onde era possível o acesso sem passar pelo detector.Nota da Redação: esta matéria foi corrigida. O nome do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso havia sido grafado errado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.