Lula defende estratégia de aproximação com países da África

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta segunda-feira a política de aproximação do Brasil com a África. Em discurso de recepção ao presidente de Gana, John Kufuor, no Palácio do Planalto, Lula avaliou que a aproximação dos países dos dois continentes contribui para reforçar uma reforma das Nações Unidas e para democratizar as relações comerciais no mundo."Meu governo sempre apostou na África", afirmou Lula. "Isso demonstramos em palavras e atos. Sempre confiei nos ventos de renovação política que estão assentando as bases para um novo ciclo de estabilidade e desenvolvimento nesse continente irmão". As afirmações foram uma resposta indireta aos críticos da política externa de seu governo. Para exemplificar que essa política está dando resultado, ele citou o fato de que, no ano passado, as exportações brasileiras para aquele continente cresceram 30%.Lula destacou, ainda, a importância da África para a cultura brasileira. Ele lembrou que, amanhã, em Salvador, abrirá a 2ª Conferência de Intelectuais da África e da Diáspora. Também ressaltou a abertura de um escritório da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) em Gana. O acordo foi assinado nesta segunda-feira pelos dois presidentes.Ao comentar a proposta de reforma da ONU, Lula agradeceu ao presidente de Gana pelo apoio ao pleito brasileiro de ocupar um dos assentos permanentes em um eventual Conselho de Segurança ampliado."O mundo mais livre e justo que queremos requer maior democratização das relações multilaterais", afirmou o presidente. "Somente assim, os países em desenvolvimento terão voz e peso efetivos nas decisões que afetam toda a comunidade de nações", disse Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.