Lula defende Constituinte para fazer reforma eleitoral

Em visita à Ucrânia, presidente disse que escândalo de corrupção no DF é 'deplorável'.

BBC Brasil, BBC

02 de dezembro de 2009 | 16h32

O presidente Luiz Inácio da Silva defendeu nesta quarta-feira a convocação de uma Assembleia Constituinte para tratar de mudanças na Lei Eleitoral.

"Os partidos políticos deveriam estar defendendo neste momento, depois das eleições de 2010, uma Constituinte específica para fazer uma legislação eleitoral para o Brasil", disse Lula, durante visita à Ucrânia. "Não é possível continuar do jeito que está."

Ao final de sua visita à capital do país, Kiev, Lula comentou as denúncias de corrupção envolvendo o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda. Ao ser questionado sobre se o escândalo representa mais um golpe para a classe política, o presidente disse que "é deplorável".

"Eu acho que é deplorável para a classe política. Porque nós já mandamos duas propostas de reforma política para o Congresso Nacional e as pessoas não se importam em votar. Quando seria muito mais fácil a gente votar a reforma política, moralizar o funcionamento dos partidos políticos, moralizar o processo eleitoral", afirmou.

'Grave'

O presidente foi questionado sobre declarações anteriores, quando havia dito que as imagens que mostram pessoas ligadas a Arruda recebendo dinheiro "não falam por si" e que cabe à Justiça fazer o "juízo de valores final".

"Nem fui condescendente nem incriminei. Eu apenas disse que tem um fato que está em apuração, é importante que termine a apuração", disse Lula.

"A minha tese é que as pessoas que fizeram as coisas erradas terão que pagar. Agora tem um processo, isso não é uma vontade do presidente Lula, isso é de toda a legislação brasileira. Vi algumas imagens, acho que é grave, mas tudo isso agora vai ter um processo", afirmou.

Mudanças climáticas

Durante sua visita a Kiev, Lula pediu o apoio da Ucrânia para pressionar os países desenvolvidos a apresentar metas "firmes" de redução das emissões de gases do efeito estufa durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, que começa no próximo dia 7, em Copenhague, na Dinamarca.

"O Brasil tem uma proposta para transformar novas tecnologias para diminuir a emissão de gases de efeito estufa", disse Lula em entrevista ao lado do presidente ucraniano, Victor Yushchenko.

Ao final da visita, os dois presidentes divulgaram uma declaração conjunta em que Brasil e Ucrânia assumem o compromisso de lançar o foguete Cyclone 4, a partir do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão, até o fim de 2010.

O Cyclone 4 é um foguete lançador de satélites e é produzido na Ucrânia. Desde 2000, os dois países mantêm uma parceria na área de exploração espacial.

O cronograma do projeto, no entanto, está atrasado devido a problemas ambientais e sociais.

"Quando dois presidentes se encontram, retiram complicações. Vamos fazer o primeiro lançamento em 2010 e entrar em uma etapa prática", disse Yushchenko.

Brasil e Ucrânia também iniciaram o diálogo para uma parceria na área de energia nuclear e desenvolvimento de tecnologia militar, além de firmarem um acordo de dispensa de vistos para turistas dos dois países.

Lula deixou Kiev nesta quarta-feira, rumo à Alemanha.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.