Lula defende aumento do mandato presidencial, sem reeleição

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ser favorável à adoção de um mandato presidencial de cinco ou seis anos, sem reeleição, a partir de 2010, dentro de uma discussão da reforma política. Em entrevista publicada na edição de hoje no jornal gaúcho Zero Hora, Lula defendeu a idéia. ?É um problema o País ser governado só se pensando no mandato de quatro anos. Temos de pensar o País a mais longo prazo (...) O mandato tem de ser maior. A partir de 2010, e isso poderia ser colocado na reforma política. O mandato poderia ser de cinco ou seis anos sem reeleição, porque quatro anos é pouco tempo", declarou.Lula também ameaçou reabrir as discussões para instituir novas mudanças nas regras das aposentadorias, caso a Justiça derrube a taxação dos inativos e o governo não tenha como recorrer da decisão. Segundo ele, sem a taxação dos inativos o "setor público fica insolúvel". Na entrevista, Lula aproveitou para acusar parlamentares do PT contrários ao salário mínimo de R$ 260 de "transformar a votação política em questão de consciência." "Na bancada do PT, cinco votaram contra. É um problema, porque o pessoal transforma a votação política em questão de foro íntimo. Vivi muito isso na Constituinte. As pessoas dizendo que tinham ´uma questão de consciência´. Como se só eles tivessem questão de consciência. Alguém no País gostaria de dar um mínimo maior do que eu?", provocou.O presidente admitiu que, no Senado, a votação do mínimo de R$ 260 será mais difícil do que na Câmara. "O grande bunker do PSDB é no Senado", declarou. Ele voltou a dizer que, se pudesse, daria um aumento maior para o mínimo. "Com mais R$ 10 no mínimo, teríamos mais R$ 2 bilhões e pouco, e o rombo iria para R$ 4 bilhões. Como posso dar uma coisa que eu não posso dar? Segundo Lula, a oposição no Congresso a seu governo é a mesma que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tinha. "Até o discurso é o mesmo. Mas tudo o que era importante votar, eles votaram, porque também têm responsabilidade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.