Lula: decisão sobre permanência de Romeu Tuma Júnior é do Ministério da Justiça

Para o presidente, é preciso investigar as denúncias 'da forma mais democrática possível'

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo/ BRASÍLIA

05 de maio de 2010 | 13h43

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que a decisão de manter ou não Romeu Tuma Júnior no cargo de secretário Nacional de Justiça é do Ministério da Justiça. O presidente, porém, disse que antes de qualquer precipitação é preciso investigar as denúncias contra Tuma Júnior, "da forma mais democrática possível". Lula disse que leu as denúncias contra o secretário nacional da Justiça no jornal O Estado de São Paulo.

 

Veja também

Li mandava lista de processos a Tuma Júnior

Ministério nega que Tuma Júnior seja investigado

Nomeação política criou desconforto na secretaria

Chinês é apontado como chefe do contrabando de celulares

Leia trechos das conversas interceptadas pela PF

 

"Eu vi informações hoje sobre o delegado Romeu Tuma. Primeiro tem de esperar a investigação. Todo mundo sabe que o delegado Tuma filho é um delegado muito experimentado na policia brasileira, na polícia de SP. É um homem que tem uma folha de serviços prestada ao país. Se há uma denuncia contra ele, a única coisa que temos de fazer, antes de precipitarmos decisão, é investigar da forma mais democrática possível , dando a ele a oportunidade de defender-se", afirmou Lula, no Palácio do Itamaraty, onde recebeu as credenciais de novos embaixadores estrangeiros. Lula disse que não conversou com o ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, sobre o assunto. "Eu cheguei às 3 da manhã, não conversei com ele", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.