Lula decidirá reeleição "no limite"

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste domingo, em La Paz onde assistiu à posse de Evo Morales, que não tem pressa em definir se será ou não candidato à reeleição e que vai deixar para tomar essa decisão "no limite" do tempo. "Eu vou continuar andando no limite do tempo que eu tenha que tomar decisão", disse Lula. O prazo final, de acordo com a legislação eleitoral, é 30 de junho.Para ele, quem precisa definir logo a candidatura é a oposição. "Eu não sou obrigado a assumir candidatura. Quem são obrigados são os adversários, que têm de se afastar em março, eu não. Estou muito tranqüilo". O presidente garantiu que não tem "pressa". "Posso dizer com uma fé em Deus que não tenho nenhum problema de definir candidatura agora." Lula rebateu as críticas dos adversários, que o acusam de estar percorrendo o Brasil em inaugurações e visitas com fins eleitorais. "Eu não posso permitir que meus adversários fiquem dizendo que cada ato que eu faço é um ato eleitoreiro", disse. "Na verdade eles dizem isso para evitar que eu saia para inaugurar as coisas. Mas nós trabalhamos três anos plantando, agora está na hora de nós colhermos".MínimoO presidente sinalizou que não pretende antecipar a entrada em vigor do novo salário mínimo, com é reivindicado pelos dirigentes sindicais. Desse modo, o novo mínimo só deverá valer a partir de primeiro de maio. Sobre o reajuste da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física em 7%, 8%, ou 10% como querem as centrais sindicais, Lula preferiu não dar opinião. "Nós temos até maio para votar o salário mínimo. Nós não temos de votar amanhã", afirmou. Nas negociações em curso, o novo mínimo passará de R$ 300 para R$ 350, mas ainda está sendo negociando quando ele entra em vigor. No primeiro ano de governo, o presidente Lula antecipou o reajuste para abril. Nos anos de 2004 e 2005 o novo mínimo passou a valer só em primeiro de maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.