Lula decide processar revista Veja

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu que vai processar a revista Veja por causa de reportagem que reproduz documento de autenticidade não comprovada no qual ele aparece como titular de uma conta bancária secreta no exterior. Lula ainda está avaliando se a ação será como pessoa física, com um advogado particular, ou por intermédio da Advocacia Geral da União (AGU), já que considera que a figura do Presidente da República foi desrespeitada. O mais provável é que seja como pessoa física. Não foi definido, também, se será uma ação especificamente contra a revista, ou contra os autores da matéria, individualmente, ou ambas as coisas. Desde segunda-feira, o presidente Lula vem conversando com o Advogado-Geral da União, Álvaro Augusto Ribeiro, para discutir como se defender dos ataques que recebeu. A princípio, as ações serão por dano moral, por calúnia e difamação e até exigindo direito de resposta.Além do advogado-geral da União, Lula tem conversado sobre o assunto com os ministros da Casa Civil, Dilma Rousseff, e da Justiça, Márcio Thomaz Bastos. Há uma outra dúvida de quando se deverá dar entrada na ação: se imediatamente ou se é melhor aguardar o fim do inquérito aberto pela Polícia Federal, para investigar as denúncias da revista que fala de contas no exterior não só do presidente da República, como de vários ministros e do diretor-geral da PF, Paulo Lacerda. Com o inquérito, alguns acham que haverão dados mais concretos. Mas outros acham que isso poderia demorar muito, pelo menos 30 dias (prazo inicial da conclusão do inquérito) e o efeito da entrada da ação na justiça perderia a oportunidade política."Podridão da imprensa"No sábado, ao tomar conhecimento da matéria publicada, Lula primeiro ironizou, dizendo que se tivesse 38 mil euros compraria um bom presente para sua esposa, D.Marisa Letícia, mas, depois, reagiu indignado, alegando que a matéria é "mentirosa", "leviana", "criminosa", "irresponsável". Segundo Lula, "a reportagem é de uma leviandade e grosseria que um ser humano comum não pode admitir, quanto mais um Presidente da República", acrescentando que se tratava de uma ofensa contra o presidente e que não podia admitir isso. E acrescentou: "A Veja chegou ao limite da podridão da imprensa e quem escreveu aquilo não pode dizer que é jornalista. É bandido, mal caráter, malfeitor e mentiroso."Ao chegar a Brasília, o presidente Lula prosseguia muito irritado e ainda disposto a processar a revista. O assunto foi debatido e há quem defenda que a ação seja como presidente da República. Mas Lula está convencido de que deveria agir como cidadão neste caso. Nos desabafos com seus ministros, Lula reafirmava que os ataques são "intoleráveis", repetia que não acredita que, dentro da revista, "haja uma única pessoa que tenha 10% da dignidade e da honestidade que tenho" e insistia que a matéria era um absurdo, um crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.