Lula decide parar de fumar, mas mantém agenda

Depois da crise de hipertensão, na última quinta-feira, no Recife, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu parar de fumar cigarrilhas. Mas em conversas com assessores, Lula avaliou que não precisa reduzir o número de viagens para atender as recomendações médicas.

LEONENCIO NOSSA, Agencia Estado

01 de fevereiro de 2010 | 15h19

Ele pretende reduzir os eventos nessas visitas aos Estados, que costumam ter até três atos públicos. Assessores do presidente reconhecem que vai ser difícil deixar de atender as demandas locais, justamente no último ano de governo e período eleitoral.

Mas a partir de agora, a ideia é dosar a agenda, evitando que o presidente chegue, por exemplo, de madrugada do trabalho e já tenha compromisso às 7 horas da manhã do dia seguinte. A intenção, também, é evitar eventos noturnos, porque o presidente mantém o hábito de acordar às 6 horas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.