Lula dá mau exemplo ao 'incitar violência', diz Alckmin

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse hoje que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva dá "mau exemplo" e "incita a violência" ao não recriminar a agressão sofrida pelo candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, na última quarta-feira, durante campanha no Rio de Janeiro. Na opinião de Alckmin, ao ironizar o episódio, o presidente Lula "zomba da lei" e "faz piada com coisa séria". O governador eleito participou hoje de encontro com lideranças dos partidos que apoiam Serra em Mato Grosso.

VENILSON FERREIRA, Agência Estado

22 de outubro de 2010 | 16h02

Em relação ao segundo turno das eleições presidenciais, Alckmin afirmou que no partido há clima de otimismo, pois pesquisas internas indicam empate, com a liderança de Serra em muitas capitais e Estados. "O que vemos é uma disputa acirrada, onde o Serra tem todas condições de ganhar as eleições."

Alckmin participou pela manhã de reuniões com lideranças políticas no Acre, onde, segundo ele, "o candidato Serra pode atingir 60% dos votos". Ele acredita que em São Paulo a vantagem de Serra passará dos 800 mil votos do primeiro turno para 3 milhões de votos no segundo. Hoje à tarde Alckmin segue para Dourados e Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, e amanhã estará em Goiás.

Questionado sobre as denúncias de desvio de recursos de campanha por parte do ex-diretor da Dersa Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, o governador eleito disse que "não há fatos que possam ser investigados". Irritado com as perguntas, Alckmin disse: "Vocês (jornalistas) repetem o que o PT fala. O PT fala muita mentira."

Alckmin, que venceu o presidente Lula em Mato Grosso nos dois turnos das eleições de 2006, reafirmou o compromisso de Serra com investimentos em infraestrutura no Estado. Ele disse que Serra vai acelerar a construção da Ferrovia Centro-Oeste, que liga Goiás a Rondônia, passando pelos principais polos agrícolas de Mato Grosso. Também garantiu a conclusão da BR-163, que liga Cuiabá a Santarém (PA), e da BR-158, que corta a região do Araguaia, no leste do Estado, conhecida como "Vale dos Esquecidos".

Alckmin destacou a questão da segurança na fronteira de Mato Grosso. "O Estado produz soja, cana e carne, mas não produz cocaína. Vamos fazer um forte enfrentamento ao tráfico de drogas e de armas e à lavagem de dinheiro", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.