Lula dá camiseta assinada por Pelé a presidente do Casaquistão

Brasil apoiará ingresso do país na OMC e, em troca, receberá apoio para vaga no Conselho de Segurança da ONU

Denise Chrispim Marin, do Estadão,

27 de setembro de 2007 | 17h20

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pouco antes de se despedir do presidente do Casaquistão, Nursultan Nazarbayev, o presenteou com uma bola de futebol com as cores brasileiras e com uma camiseta estilizada da seleção brasileira, que trazia o nome Pelé e o número 10 nas costas e, no peito, uma mensagem assinada pelo ex-jogador.   Veja também:    ESPECIAL:  Líder casaque é acusado de manipular eleições    Atendendo aos pedidos da imprensa, o presidente casaque tentou fazer embaixadas com a bola, mas acabou mostrando sua pouca intimidade com o futebol. Lula teve mais sucesso: fez embaixadas e não deixou a bola cair. Curiosamente, a comunidade brasileira no Casaquistão é composta por apenas 20 pessoas - todos jogadores de futebol.   Ainda no encontro com o presidente do Casaquistão, Lula anunciou o apoio do Brasil ao ingresso do país à Organização Mundial do Comércio (OMC) e recebeu de Nursultan Nazarbayev apoio para o ingresso do Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU. Os apoios recíprocos foram manifestados pelos dois presidentes, em discurso pouco antes do almoço no Palácio do Itamaraty.   Negócios   Nazarbayev iniciou nesta quinta a primeira visita de um líder casaque a um país latino americano, escudado nos interesses do seu país em aprofundar as relações comerciais e atrair investimentos nos setores de petróleo e mineração, especialmente. No Palácio do Planalto os dois presidentes assistiram à assinatura de entendimento para a cooperação técnica nas áreas de agricultura e pecuária, de cooperação econômica, de consulta política e de isenção de vistos para portadores de passaportes diplomáticos e oficiais.   Em seu discurso, o presidente Nazarbayev destacou que o Casaquistão apresenta taxas de crescimento da ordem de 8% ao ano e que foi um dos primeiros países a destruir o seu arsenal nuclear, que era o quarto maior do mundo, nos anos 80. O Casaquistão é um dos 10 maiores produtores de petróleo no Mundo. O presidente casaque destacou que o Brasil e o Casaquistão apresentam visões convergentes sobre questões em discussão em organismos internacionais, em especial nas áreas de não proliferação nuclear, reforma do Conselho de segurança da ONU, solução de conflitos e questões de mudanças climáticas.   O presidente Lula concordou com essa convergência de pontos de vista e disse que apesar do Casaquistão ser um dos maiores produtores de petróleo tentou atrair o presidente casaque para a experiência brasileira com os biocombustíveis. "Expliquei como o etanol e o biodiesel podem ajudar a combater o aquecimento global, reduzindo as emissões de gás carbônico", afirmou Lula, ao relatar a conversa reservada que teve com o líder casaque. "O Casaquistão apresenta todas as condições para tornar-se parceiro privilegiado do Brasil na revolução dos combustíveis verdes", completou.

Mais conteúdo sobre:
Nursultan NazarbayevLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.