Lula critica subsídios ao falar sobre crise dos alimentos

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva criticou os subsídios dados a agricultores de paísesdesenvolvidos ao comentar a alta nos preços dos alimentosdurante seu programa de rádio semanal nesta segunda-feira. Falando de Roma, onde participará da reunião da Organizaçãodas Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), opresidente adiantou que, durante seu discurso no evento, falaráde programas sociais de seu governo, como o Fome Zero e o BolsaFamília, e procurará lembrar aos demais líderes mundiais quetem batido na tecla do combate à fome desde 2003, quandoassumiu o governo. "Eu penso que chegou a hora de tomarmos atitudes. Uma dasatitudes seria concluir o acordo da OMC (Organização Mundial doComércio) na Rodada de Doha, que os países ricos abram mão dossubsídios agrícolas que dão aos seus agricultores, que osEstados Unidos diminuam os subsídios", defendeu Lula noprograma semanal "Café com o Presidente". "E aí sim os países pobres vão se sentir motivados aproduzir mais alimentos para comer e para vender", acrescentou. O presidente também comemorou a decisão da agência declassificação de risco Fitch Ratings de dar ao país, na semanapassada, o grau de investimento. Foi a segunda agência dessetipo que deu esse status ao Brasil. Antes, a nota havia sidodada pela Standard & Poor's. "O fato do Brasil ser reconhecido por uma segunda agênciacomo grau de investimento demonstra que nós estamos acertandona política monetária que estamos fazendo. Demonstra que nósestamos acertando na política fiscal, demonstra que nós estamosacertando na política de investimento, e tudo isso é resultadode uma coisa bem planejada, pensando no futuro", comentou. Lula se disse "muito feliz" com a decisão da agência e fezquestão de lembrar ainda da nova descoberta de petróleo pelaPetrobras, de óleo leve no bloco BM-S-40, na Bacia de Santos. Para o presidente, isso é mais uma " demonstração de que ascoisas estão dando certo para o Brasil". (Texto de Eduardo Simões; Edição de Cláudia Pires)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.