Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Lula critica nota de Levy a senadores

Em conversa reservada com parlamentares do PT, em Brasília, Lula avaliou que o documento de Levy foi mais um 'libelo' do 'economês', em defesa do arrocho

Vera Rosa, O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2015 | 14h04

Brasília - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta quinta-feira, 12, a a nota escrita pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, na qual o comandante da economia pregou a segurança fiscal com corte de gastos e disse ser preciso enfrentar "as dificuldades de pagar impostos" para voltar a crescer, sem dar sinais de flexibilidade nas políticas de ajuste adotadas até agora. Em conversa reservada com parlamentares do PT, em Brasília, Lula avaliou que o documento de Levy foi mais um "libelo" do "economês", em defesa do arrocho.

Levy divulgou a carta na tarde de quarta-feira, para agradecer um jantar oferecido a ele na véspera, com 52 senadores de vários partidos, na casa do líder do PMDB, Eunício Oliveira (CE). O texto também causou mal estar no Palácio do Planalto porque, segundo auxiliares da presidente Dilma Rousseff, não conseguiu apontar com clareza para o futuro.

"Como observei, os instrumentos mais habituais de estímulo à economia já foram usados à exaustão. Portanto, teremos que trabalhar para enfrentar questões estruturais, de forma a dar competitividade ao país em um período em que não poderemos contar com os mesmos preços favoráveis para nossas matérias primas", escreveu Levy, em nota divulgada na quarta-feira. "Enfrentar a burocracia, as dificuldades de pagar impostos e a incerteza nas regras de negócios é o imperativo para voltarmos a crescer e a espinha de nossa estratégia econômica."

Lula pressiona Dilma, nos bastidores, para substituir Levy pelo ex-ministro do Banco Central Henrique Meirelles. Alega que o governo precisa liberar mais crédito na praça e "vender" um discurso de "esperança", indicando onde quer chegar sem falar toda hora em corte, aumento de impostos, desemprego e inflação.

Embora o Diretório Nacional do PT tenha recuado publicamente das críticas mais ácidas a Levy, há duas semanas, nos bastidores o comentário é que o partido perderá toda a sua base social e terá extrema dificuldade nas eleições municipais de 2016, principalmente em São Paulo, se Dilma não der uma guinada na política econômica.

A presidente resiste a dispensar Levy, neste momento, porque, ao contrário de Lula, avalia que trocar o ministro da Fazenda agora passaria um sinal de fragilidade ao mercado financeiro, indicando descontrole nos rumos do governo. Dilma já foi convencida, porém, de que é necessário afrouxar um pouco o ajuste fiscal para evitar que a recessão piore ainda mais. No Planalto, o comentário é que, se Levy não concordar com essas mudanças, sua situação ficará insustentável.

Porteira fechada. Reportagem publicada nesta quarta-feira pelo Estado mostrou que Meirelles já foi sondado informalmente por Lula sobre a possibilidade de ocupar a Fazenda, mas está exigindo uma espécie de "porteira fechada" para, se for o caso, aceitar a missão.

A condição apresentada por ele para assumir o posto, segundo relato de dois interlocutores ouvidos pelo Estado, é a de ter carta branca sobre decisões do Ministério do Planejamento e do Banco Central, além de autonomia para mexer na Caixa Econômica Federal e no Banco do Brasil. Meirelles quer ter o controle de toda a área econômica e a última palavra até mesmo no Orçamento e na política monetária. Desde o primeiro mandato, Dilma nunca permitiu que o ministro da Fazenda tivesse todo esse poder, como Antônio Palocci tinha quando comandava a economia no governo Lula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.