Lula critica Igreja e pede fim da ´hipocrisia´ sobre aids

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez duras críticas à Igreja ao lançar nesta quarta-feira, 7, o primeiro plano da América Latina para conter a disseminação do HIV entre as mulheres. Ele pediu o fim da hipocrisia no País sobre o uso de preservativo, proibido pela Igreja Católica, assim como outros métodos contraceptivos."Vamos fazer o combate à hipocrisia no País. Preservativo tem que ser doado e ensinado como usar. Sexo tem que ser feito e ensinado como fazer, somente assim teremos um País livre da aids", afirmou o presidente. "Hipocrisia porque muitas vezes nós deixamos de debater os temas da forma verdadeira com que eles têm que ser debatidos, por puro preconceito, por pura: ´ah, mas minha mãe não gosta, meu pai não gosta, a Igreja não gosta, não sei quem não gosta´. 30% das meninas entre 15 e 17 anos que não estão freqüentando a escola é porque tiveram filho."A ação visa a dobrar o porcentual de exames e aumentar a distribuição de preservativos femininos de quatro milhões em 2007 para dez milhões em 2008. Sexo: ´quase todo mundo gosta´ "Não tem como carimbar na testa de um adolescente quando é momento de começar a fazer sexo. Sexo é uma coisa que quase todo mundo gosta, é uma necessidade orgânica do ser humano, portanto o que nós precisamos fazer é ensinar", disse o presidente, que acabou improvisando o discurso. Lula também lembrou o Dia Internacional da Mulher, celebrado todo ano em 8 de março, e sugeriu que em 2008 a data seja marcada com o lema de combate à hipocrisia. "É preciso melhorar a massa encefálica dentro do cérebro para as pessoas compreenderem que as mulheres devem ser respeitadas", disse o presidente que estava acompanhado da primeira-dama, Marisa. Devido ao calor, os termômetros marcavam quase 40 graus, Lula tirou a gravata, o paletó e arregaçou as mangas. (Colaborou Felipe Werneck)Texto atualizado às 19h51

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.