Lula critica governantes que não conhecem os próprios países

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em Brasiléia, no Acre, no discurso de inauguração da ponte que liga a cidade acreana a Cobija, na Bolívia, que um dos problemas dos governantes é que eles não conhecem o País que governam. "As pessoas não têm interesse em fazer esse trabalho da periferia. É muito mais cômodo ir para a capital, para uma cidade de 300 mil ou 1 milhão de habitantes e, no meu caso, ir para São Paulo, Brasília, Belo Horizonte ou Rio. Mas é muito mais necessário eu vir a Brasiléia ou a outra cidade pequena", afirmou o presidente, na presença dos presidentes da Bolívia, Carlos Mesa, e do Peru, Alejandro Toledo. No discurso, Lula lembrou o assassinato do sindicalista de Brasiléia, Wilson Pinheiro de Souza, em 1980. O presidente disse que foi condenado a três anos de prisão, com base na Lei de Segurança Nacional, depois de ter declarado, na missa de sétimo dia do sindicalista, que "era hora da onça beber água". A polícia entendeu que a sua declaração tinha o objetivo de estimular a vingança, já que dias depois da missa populares mataram um suspeito de assassinar o sindicalista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.