Lula critica EUA e outros países emissores de gases estufa

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou os Estados Unidos e outros países desenvolvidos de praticar "a política do esperto" na questão do controle da emissão de gases do efeito estufa. Em discurso de improviso no Fórum Brasileiro de Mudança Climática, no Palácio do Planalto, Lula afirmou que esses países se limitam a comprar cotas de emissão de gás carbônico das nações pobres em vez de colaborar no combate às emissões, que são causadoras do efeito estufa e responsável pelo aquecimento do planeta."Não basta os países ricos nos darem um pouco de dinheiro e continuarem poluindo o planeta. O compromisso deles não é apenas nos dar dinheiro, é o de diminuir a poluição", afirmou o presidente. Ele lembrou que os EUA e outros países importantes (como a Austrália) não assinaram o Protocolo de Kioto, que estabelece metas de redução das emissões até o ano 2012.Lula cobrou empenho dos países em desenvolvimento no sentido de exigirem dos EUA responsabilidade na redução da poluição ambiental. Não podemos fazer vista grossa só porque criaram um mecanismo alternativo de compensação (aquisição de cotas de carbono). São os países ricos os responsáveis por mais de 70% da poluição do planeta e, portanto, eles têm que ter compromisso, porque, se não, fica a política do esperto", acusou.E reproduziu o que ele acredita que se passa na cabeça dos governantes desses países: "Eu já desmatei, já poluí os rios e já acabei com tudo. Agora, vou criar uma política de compensação, para os países pobres continuarem pobres, e nós (países desenvolvidos) nos desenvolvermos cada vez mais."Durante o Fórum Brasileiro de Mudança Climática, o governo definiu a proposta que levará à 12ª Conferência das Partes da Convenção da ONU sobre Mudança do Clima, em Nairóbi, na próxima semana: a criação de um mecanismo de incentivos a países em desenvolvimento que reduzirem suas emissões de gases de efeito estufa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.