Lula critica atuação do TCU no embargo de obras

Segundo o presidente, "durante anos a máquina administrativa foi atrofiada e a fiscalizadora foi ampliada"

Adriana Chiarini, Agência Estado

18 de agosto de 2009 | 16h06

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a reclamar dos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas da União (TCU), e da dificuldade de se realizar obras no País. "Quando está tudo resolvido vem o TCU e diz que tem sobrepreço, e a empresa diz que não tem", afirmou Lula.

 

De acordo com o presidente, essa discussão faz a obra ficar parada por meses, quando, em sua opinião, seria melhor continuar o trabalho e, ao final dele, não pagar a diferença em caso de sobrepreço. "Não levam em conta o prejuízo que as pessoas têm, que o País tem, com oito meses de obra parada."

 

Segundo Lula, "durante anos a máquina administrativa foi atrofiada e a fiscalizadora foi ampliada". Ele também reclamou das exigências para licenciamento ambiental prévio e das licitações. Lula declarou que o governo investe em qualquer local, independente de quem é o líder político na região.

 

"Isso vale para Serra (governador de São Paulo, José Serra), isso vale para Aécio (governador de Minas Gerais, Aécio Neves)", afirmou o presidente, em discurso na entrega das chaves de 56 apartamentos residenciais ligados ao Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) nas comunidades de Cantagalo e Pavão-Pavãozinho, na zona sul do Rio de Janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
obrasTCULula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.