Lula confirma nome de Edson Lobão para Minas e Energia

Peemedebista diz que tomará posse na segunda-feira e nega resistência de Dilma à sua indicação

16 Janeiro 2008 | 20h13

O senador Edison Lobão (PMDB-MA) informou nesta quarta-feira, 16, ao sair de uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, que este confirmou o convite para que ocupe o cargo de ministro de Minas e Energia. "O presidente Lula acaba de me convidar para o ministério", relatou o senador. E acrescentou: "Tomo posse na segunda-feira." Neste momento, Lobão, indicado para o cargo pelo PMDB, por unanimidade, continua conversando com jornalistas no Palácio do Planalto.  Veja Também:  Lobão Filho é suspeito em fraude de R$ 30 milhões  Ele negou que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff tenha mostrado resistência à sua indicação para o ministério de Minas e Energia. "Ela inclusive disse ter apreço por mim." Lobão também aproveitou a sua primeira entrevista coletiva após ser confirmado no comando do ministério para negar que o País corra o risco de enfrentar um novo racionamento de energia. "Todas as termelétricas estão sendo ligadas paulatinamente e até já voltou a chover", disse, brincando com o fato de estar chovendo neste momento na Capital Federal. Ele rebateu ainda as acusações de que não teria conhecimento técnico para assumir a pasta e disse que outros ministros de caráter político já passaram pelo ministério de Minas e Energia. Lobão afirmou que o atual ministro interino, Nelson Hubner, já manifestou interesse em deixar o ministério. O senador declarou que irá nomear "uma equipe competente" para ocupar os cargos do setor elétrico, mas afirmou que não vai "demolir que já está lá". No entanto, ele não respondeu objetivamente se manterá Maurício Tolmasquim à frente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Lobão irá se reunir amanhã com Hubner para tratar do processo de transição do ministério, mas não participará da reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), marcada para as 9 horas. "Ainda não sou ministro", justificou.    Discussão  Na terça-feira, em Cuba, Lula não havia confirmado o nome de Lobão para o ministério. Ele disse que teria "uma conversa" e iria "estabelecer uma discussão". "O problema é que o PMDB, por unanimidade, indicou o Lobão, mas eu disse ao PMDB que isso vai depender de uma conversa com ele, que será feita amanhã", explicou o presidente.    A indicação de um político para o ministério de Minas e Energia acontece em um momento complicado, já que se admite a possibilidade de um novo apagão elétrico no País.  Suplente O filho e suplente do senador Edison Lobão, Edison Lobão Filho (DEM-MA), é suspeito de ter ligações com um esquema que fez desaparecer 52.309 notas fiscais de 205 empresas entre 1993 e 1999 dos computadores da Companhia de Processamento de Dados do Maranhão (Prodamar). O Estado teve prejuízo total de R$ 60 milhões. (Com Leonardo Goy)

Mais conteúdo sobre:
Minas e Energia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.