Lula condena preconceito contra alunos do ProUni

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou hoje "o preconceito" dos ricos contra os pobres e "a inveja" que setores da elite, a seu ver, alimentam contra alunos carentes que se formam com auxílio do Programa Universidade para Todos (ProUni). Lula disse que seu governo promoveu uma revolução na educação, mas que ainda há um longo caminho pela frente. Ele acrescentou que seu governo teve de enfrentar fortes barreiras para vencer "o maldito preconceito, uma doença entranhada na cabeça das pessoas". Segundo Lula, o preconceito e a inveja "são doenças crônicas que precisariam de uma especialidade da medicina para tratá-las".

VANNILDO MENDES, Agência Estado

30 de junho de 2010 | 18h16

Lula discursou hoje na abertura do seminário "Perspectivas profissionais na área de saúde", destinado aos primeiros formandos em Medicina do ProUni. Ele citou que o programa foi lançado em 2005 e, até agora, já beneficiou 704 mil estudantes com bolsas parciais e integrais, 4.400 deles na área de medicina. Para concorrer às bolsas integrais do ProUni, o candidato deve ter renda familiar de até um salário mínimo e meio por pessoa. Para as bolsas parciais (50%), a renda familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

Após o discurso, Lula posou para fotos com cada um dos formandos e seus familiares, que lotaram o auditório de um hotel em Brasília, onde se realiza o seminário. "Não sei se terei foto melhor que esta para justificar a minha passagem pela presidência", disse ele, emocionado. Segundo ele, historicamente, o Brasil foi pensado e governado para "uma pequena parcela da sociedade". "Só uma parte tinha direito a cursos de graduação, mestrado e doutorado. A outra parte era predestinada a fazer o primário e, no máximo, o secundário, para, a muito custo, conseguir um emprego".

Ele ressaltou os investimentos do seu governo em educação e criticou os antecessores que não deram a mesma prioridade ao setor. "Alguns presidentes passaram o mandato todo sem fazer uma só universidade". "Em oito anos, eu, o Haddad (ministro da Educação, Fernando Haddad) e o Alencar (vice-presidente, José Alencar) fomos os que mais fizemos universidades federais e escolas técnicas neste País. Falo com orgulho", completou. Segundo ele, aplicação de recursos em educação não é gasto, é investimento. "No meu governo, tratamos recursos para educação como investimento e não como gasto. Aliás, o investimento que mais retorno dá ao País".

Vice de Serra

Ao final do evento, quando deixava o local, um repórter questionou o que ele tinha achado do vice da chapa do tucano José Serra, o deputado Índio da Costa (DEM-RJ), e devolveu a pergunta: "Quem é? Não sei quem é". Diante da informação sobre o nome do vice, indagou novamente: "De onde ele é?". O repórter respondeu: "Do Rio" e, então, Lula limitou-se a dizer: "Ah é?".

Tudo o que sabemos sobre:
ProUniMedicinaLulapreconceito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.