Lula concede crédito a Cuba e se encontra com Fidel

O presidente Luiz Inácio Lula da Silvase reuniu na terça-feira com o convalescente líder cubano FidelCastro, afastado do poder desde que ficou doente, há mais de 17meses. "O encontro está ocorrendo agora", disse um porta-voz dachancelaria brasileira que acompanha Lula em sua visita demenos de 24 horas a Cuba.Castro, de 81 anos, não aparece em público desde julho de 2006,quando transferiu o poder a seu irmão Raul após uma criseintestinal que o deixou à beira da morte. Em declarações feitas mais cedo a jornalistas, Lula dissepertencer a uma geração que "admirava a revolução cubana",segundo a fonte do Itamaraty. Lula reforçou na terça-feira suas relações com Cuba aoconceder créditos comerciais e firmar acordos petrolíferos quebuscam, segundo analistas, posicionar o Brasil diante de umapossível abertura econômica na ilha de governo comunista. Foi Raul Castro quem recebeu Lula no Palácio da Revolução,vestindo paletó azul escuro no lugar de seu uniforme degeneral.Ali supervisionaram a assinatura de protocolos nos quais oBrasil oferece, entre outras coisas, aumentar linhas de créditocomercial, buscar petróleo em águas profundas cubanas do Golfodo México e construir estradas na ilha. Segundo diplomatas brasileiros, Lula está disposto a elevaraté 1 bilhão de dólares as linhas de crédito oferecidas a Cuba,imersa em um processo de renovação de sua infra-estrutura. PETRÓLEO, NÍQUEL E INTERFERON O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, queacompanha a visita de Lula, assinou um protocolo sobreexploração de águas cubanas do Golfo do México e também para aprodução de lubrificantes. A Petrobras, uma das líderes mundiais na exploração emáguas profundas, investiu entre 1998 e 2001 uns 16 milhões dedólares no estudo de vários blocos cubanos, mas ao final não secomprometeu. Gabrielli disse, porém, que a Petrobras ainda nãomanifestou interesse por nenhum dos 35 blocos cubanos disponíveis. "No momento estamos terminando a aquisição de dadossísmicos e discutindo os dados", disse a jornalistas. Os acordos assinados terça-feira incluem créditosbrasileiros para exportar alimentos a Cuba e ampliar umafábrica de níquel. O Brasil estuda novas linhas definanciamento para áreas como a construção de estradas,hotelaria, biotecnologia e indústria açucareira. Um acordo concreto que saiu da visita de Lula foi a licençapara a Fundação Oswaldo Cruz produzir o medicamento InterferonAlfa 2B para a pesquisa em medicina tropical. Cuba é um dosseis países do mundo que produzem o Interferon. (Reportagem adicional de Anthony Boadle em Havana)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.