Lula compara privatizações aos estupros do maníaco do parque

O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, disse hoje que o modelo de privatização adotado pelo governo Fernando Henrique Cardoso foi "um verdadeiro estupro". "O processo de privatização no Brasil foi um estupro tão grave quanto o do maníaco do parque", afirmou ele, comparando o modelo de privatização aos crimes do motoboy Francisco Pereira de Assis.Lula acusou Fernando Henrique de estar dando "um golpe" no Brasil. "Na verdade, o que ele está fazendo é um golpe que nem os militares tiveram coragem de fazer", disse. "Tivemos 23 anos de regime militar, 6 anos de Sarney, 2 de Collor, 3 de Itamar e 8 de FHC e nunca ninguém falou em Banco Central independente. Agora, que a elite brasileira corre risco de perder as eleições, eles inventam essa história de BC independente".Para Lula, a intenção do governo federal é fazer com que o novo governo não tenha chance de "sequer escolher o futuro presidente do BC". "O futuro presidente tem o direito de cuidar da política econômica, monetária e cambial. Se a moda pega, daqui a pouco, o Fernando Henrique Cardoso vai querer indicar todo o ministério do outro governo", afirmou o petista.Na opinião de Lula, a estrutura do BC o faz independente. "Eu acho que o BC já é muito independente. Se ele não fosse, não teria emprestado R$ 30 bilhões para o Proer, R$ 2 bilhões para o gangster do Cacciola (o banqueiro Salvatore Cacciola), do Marka", disse. "Se a Marta (Suplicy, prefeita de São Paulo, do PT) precisar de R$ 50 emprestados, tem de passar pelo Senado. O Marka pega R$ 2 bilhões sem passar por ninguém. Quer mais independência do que isso?"O presidente de honra do PT acusou ainda o governo de ser pouco transparente. Ele citou o acordo feito com o Fundo Monetário Internacional (FMI). "A equipe econômica liderada pelo BC faz acordo em Washington, Nova York, sem que o Senado e o Congresso Nacional fiquem sabendo as diretrizes deste acordo", criticou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.