Lula compara Minc a Amarildo por substituir a 'Pelé' Marina

Ao dar posse a Carlos Minc como novoministro do Meio Ambiente, nesta terça-feira, o presidente LuizInácio Lula da Silva o comparou ao atacante Amarildo, quesubstituiu Pelé na Copa do Mundo de 1962 e foi muito bemsucedido. Com a frase, Lula elogiou a ex-ministra do Meio AmbienteMarina Silva como a maior craque no assunto, mas também deixouclaro que ninguém é insubstituível no governo. Ao se dirigir a Minc, após um longo discurso deagradecimento a Marina, Lula disse se lembrar de jogo da Copade 1962, quando Pelé deixou o campo por uma contusão que oafastou do restante do torneio. "Todos os brasileiros, 'otimistas' como sempre, disseramacabou, o Brasil perdeu. Aí colocaram o Amarildo, ele fez osdois gols brasileiros (no jogo seguinte, contra a Espanha), e oBrasil se transformou em bicampeão", disse Lula, sugerindo aMinc para fazer de conta que está entrando no lugar de Pelé. Lula afirmou que o exemplo mostrou que nem Pelé erainsubstituível. "Depois do Brasil, o Santos foi campeão do mundo sem oPelé, contra o Milan, onde jogava o Amarildo. Entrou umpernambucano chamado Almir e o Santos foi bicampeão mundial",disse Lula, referindo-se ao segundo título mundial do timepaulista, em 1963. O presidente se valeu da analogia para dizer que não estavafazendo uma mudança sem cabimento, e afirmou que a únicadiferença entre Marina e Minc era que um amanhecia vendo afloresta do Acre e o outro, a praia de Copacabana. "As duas precisam ser preservadas, a praia de Copacabana ea Floresta Amazônica", disse Lula, estendendo a questãoambiental para além da discussão sobre a Amazônia. "Quando tiver dúvida, não tenha vergonha e telefone para aMarina, que será sua parceira", aconselhou Lula a Minc. Lula brincou com o novo ministro, dizendo que em uma semanaele já falara mais que Marina em 5 anos e meio de ministério, eque para provar que não é contra a Amazônia compareceu à possede verde, mencionando o modelo de colete usado por Minc. Lula enfatizou que em seu governo não existe política de"ministro A ou ministro B", e que a política ambiental dogoverno é aquela que está no programa que lhe fez ganhar aseleições de 2002 e 2006. "A lei será cumprida sempre. Nenhum ministro podedesrespeitar a lei e muito menos aqueles que querem derrubaruma árvore. Seremos duros com quem cometer erros e seremosjustos com aqueles que cumprem as regras legais estabelecidasno nosso país", afirmou. (Texto de Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.