Lula compara fase à de JK e vê vantagem na inflação controlada

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva comparou o atual momento do país aos "anos dourados" queo Brasil viveu na segunda metade da década de 50, sob o comandode Juscelino Kubitschek, com a vantagem de a inflação ser menorque a daquela época. "Eleva-se novamente a auto-estima do brasileiro, a exemplodo que aconteceu nos anos dourados da era JK, mas ao contráriode 1958, o Brasil de hoje, apesar da crise mundial, tem umainflação sob controle", disse Lula em solenidade comemorativados 50 anos da Bayer no Brasil.O ex-presidente JK governou o Brasil de 1956 a 1960, período emque o país cresceu mais de 7 por cento ao ano e se desenvolveusob o mote da campanha dos 50 anos em 5. A inflação que giravaem torno de 12 por cento nos primeiros anos de seu governo,chegou a 35 por cento em 1959 e fechou o período JK em 25,4 porcento. Lula destacou que além de uma inflação menor, o paísavançou em outros aspectos econômicos. "Somos credores internacionais e conquistamos o cobiçadograu de investimento", afirmou. Ao lembrar que a unidade industrial que visitava forainaugurada por JK, em 1958, Lula disse que aquele foi um anoespecial para o Brasil, quando a seleção brasileira foi campeãdo mundo pela primeira vez, o país passava por uma revoluçãoarquitetônica, com a construção de Brasília, e surgia a bossanova. "Ele próprio (JK) era considerado um presidente bossa nova.Dava o tom de otimismo que contagiava o Brasil inteiro", disseLula. "Quis o destino, e trabalhamos muito para isso, que 50 anosdepois o Brasil esteja vivendo um outro momento de otimismo.Depois de décadas de estagnação econômica e forte concentraçãode renda, o Brasil cresce de forma acelerada, para todos,reduzindo desigualdades sociais e regionais históricas",acrescentou Lula. O presidente encerrou seu discurso com uma referência a umantigo slogan da filial brasileira da empresa alemã parareforçar sua confiança na economia e no bom momento que o paísatravessa. "Se é Brasil, é bom."(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.